Breaking Bad (5×07/08) – Say My Name/ Gliding Over All


Esses dois episódios finais dessa primeira parte da temporada acabam por ser uma grande celebração as vitimas que Einsenberg. Vitimas essas que não se limitam a diegése de Breaking Bad.

Um dos momentos mais interessantes do clássico de terror “Frankenstein”, da britânica Mary Shelley, é o quando o monstro se vira oficialmente contra o seu criador. Inicialmente, Viktor Frankenstein tem apenas vislumbres da criatura, que se move nas sobras. Logo o monstro se impõe como o castigo pela vaidade do Dr. em tentar assumir um lugar divino ao criar a vida, tirando qualquer duvida sobre a sua existência. Foi exatamente isso que acontece no inicio de ”.

Einsenberg ascendeu como o grande vilão que todos vimos ele se tornar no momento em que assume a morte de Gus Fring para os traficantes. Agora o monstro se dividiu oficialmente de Walter White, colocando todos a sua volta como vitimas de seu gênio. Mas havia um grande impedimento, alguém que tinha quase o mesmo poder de intimidação da parte negra do nosso protagonista: Mike. Ele é único que é tão letal quanto o White, além de ser aquele que ainda consegue se impor perante o nosso cozinheiro

Importante notar que Mike disse várias vezes o quão perigoso é Walter, mas ignorou seus instintos em nome dos incríveis ganhos que lhe eram prometidos. Mike se tornou mais uma das vitimas de Einsenberg, parando para pensar, no momento em que decidiu ignorar esses instintos. Confesso que não vi essa jogada do roteiro vindo, achei que Mike era imprescindível para um o Walter “Rei do Crime” que imaginei estar chegando, mas o Einsenberg é muito mais auto-suficiente do que presumia.

Estabelecido o monstro, percebemos que todos estão a mercê dele, seja o intimidador Mike, a organizada Lydia, a rancorosa Skyler, o implacável Hank, ou o instável Jesse. Todos são vitimas do monstro que tanto se anunciou por tanto tempo, o que mais me surpreende na série foi a forma com a qual o monstro puni o seu maior criador: Walter White. O protagonista perdeu sua família, a tranqüilidade, sua rotina e inocência. Como forma de punir aquele que o criou, o monstro tirou tudo que Walter ama, o que alimenta o monstro, criando uma bola de neve imprevisível.

No processo de vitimizar os personagens a volta de Einsenberg, a série também se vitimou a ele. Perceba como, principalmente em “Say My Name”, as cenas em que o protagonista não está presente parecem irrelevantes em comparação. Todo o processo que levou Mike a ser encurralado foi muito chato quando se pensa nas discussões de Walter com Jesse ou com Skyler, muito mais diante da cena final. Por falar nessa cena, foi ela que elevou o episódio, por evocar a cena do assassinato de Freddo em “Poderoso Chefão 2” (note como as cenas se passam em um lago e no como o som é pontual).

O problema da necessidade contínua de Walter é muito maior em “Say My Name” do que foi  em “Gliding Over All”. Se no primeiro houve alguns problemas de ritmo, o segundo teve muito mais experimentações técnicas que permitiram que o episódio fosse mais ágil que o seu antecessor.

Walter ainda não é Gus, e essa é uma comparação que dói ao protagonista. É essa a comparação que salva Lydia, no momento que Einsenberg senta-se a mesa pronto para matá-la. Essa cena deixa claro, além da importância de Fring, que agora a morte é plano A, aquilo que deve ser adotado em primeiro caso para o Walter. Não sei exatamente em que ponto isso aconteceu, mas me parece muito natural que tenha acontecido.

Da vontade em superar o popular Gus, que manteve uma vida dupla por tanto tempo, Walter aceita o risco de aumentar a sua operação a patamares inéditos. Com matéria-prima e distribuição assegurados, a única coisa que ainda segura Walter eram os traficantes do Mike. Para resolver essa questão, Einsenberg usa os contatos  do submundo para orquestrar a morte, em dois minutos, de todos. Ok… realmente, o fato Walter já comandar uma gangue foi muito rápido e inverossímil. Felizmente esse furo de roteiro  nos presenteia com uma incrível rápida edição que mostra todas as mortes que acontecem simultaneamente, enquanto uma calma musica pontua. Toda a cena lembrou-me muito uma das cenas de “Poderoso Chefão” e recuso-me a acreditar que seja uma coincidência.

Perto do fim do episódio, a desesperada Skyler apresenta ao Walter a enorme pilha de dinheiro que ele conseguiu em pouquíssimo tempo.  O pedido desesperado para que o marido pare de cozinhar destoa da aura de raiva que vinha mantendo nos últimos episódios, parecendo uma tentativa desesperada da personagem ou da série, ainda não sei. Quando Walter diz ter parado de cozinhar, tudo que fiz foi achar estranho, pois é impossível acreditar que ele realmente tenha parado ou que a série mantenha Walter limpo e longe do seu reinado. Caso seja só uma forma do protagonista enganar Skyler, essa pode ser uma boa fonte de tramas para a série, se Walter realmente parou, esse será um caminho muito inverossímil e bem complicado para essa reta final.

Uma grande qualidade de BB é que a atenção aos detalhes (o que separa o bom audiovisual do esquecível). La na cena em que Walter toma banho já é possível ver o livro que permitirá Hank ligar os pontos e perceber Walter como o grande manipulador que é. Nelson Rodrigues dizia que é preciso ser um sábio pra enxergar o óbvio que ninguém enxerga, mas parece que só é preciso da coisa certa na hora certa para enxergar o óbvio que não se quer enxergar. O anunciado embate entre o homem da lei incorruptível e a grande mente maligna, que tanto se anunciou. É admirável a simetria: a incansável força benfeitora contra a genial inteligência maléfica. É o ponto em que a série me coloca como vitima, afinal, torço por um por ter acompanhado sua transformação  e não quero vê-lo cair, enquanto conscientemente desejo que a lei triunfe sobre o monstro que (como expectador) ajudei a criar.

Breaking Bad parte para a sua reta final com um episódio que peca pelo ritmo, e outro que usa das suas influencias e do seu controle técnico para ser mais ágil e mais profundo. Sinceramente, é difícil esperar.

Episódio 07 – Say my Name:

Episódio 08 – Gliding Over All:

2 thoughts on “Breaking Bad (5×07/08) – Say My Name/ Gliding Over All

  1. Nossa… Novamente temos Breaking Bad provando a razão pela qual muitos dizem que este é o melhor drama da atualidade. Simplesmente fantástico.

    Será que Walter realmente parou? Ansioso demais pela´segunda parte da temporada e pelos momentos finais da série.

    Atts

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s