Fringe – 4ª. Temporada (2012)


William Bell: God made us in His image. If that is so, if we are capable of being gods, then it is our destiny to do so.

Fringe é um pequeno bebé que eu vi crescer desde a sua primeira temporada. Rotulando-a como os Ficheiros Secretos da minha geração, a série, de episódio para episódio, conseguiu superar os limtes da sua própria existência mostrando-nos mundos completamente diferentes e teorias que jamais passariam pela nossa mente. Desde o final da primeira temporada, tem sido desenvolvido o tema dos mundos paralelos e não posso dizer que não fiquei entusiasmado (e, ao mesmo tempo, abismado) com o trabalho que foi dado ao tema e ao “carinho” com que foi tratado mostrando cada passo, cada reacção, quando fosse realmente necessário.

A terceira temporada e, de longe, a melhor de todas tanto a nível criativo como a nível de desenvolvimento de personagens, findou um capítulo com uma imagem que ditaria o Futuro, já só por si incerto, de uma série que apaixonou e fez vibrar muitos fãs em redor do mundo. E, apesar de a temporada ter sido exímia naquilo que mostrou, os 30 segundos do episódio final, “The Day We Died”, levaram Fringe por caminhos proibidos e cujo objectivo, que vinha a ser explicado no episódio 14 da temporada 4, “The End of All Things”, não sortiu o efeito desejado.

E apesar do começo algo sofrível, apesar do significado que os episódios tinham subjacente, Fringe limitou-se a encostar-se à sombra da bananeira até ao momento em que um inimigo por nós muito bem conhecido decide, finalmente, aparecer. A história, de facto, mudou e com ela muitas variáveis alteraram-se de tal forma que vimos ressurgir alguém tão desprezível e tão vil que a sua própria presença arrepia. Como que oonstruindo uma casa, Fringe foi, ao longo dos restantes episódios, movimentando as peças de xadrez a seu bel prazer até que, sem darmos conta, estamos no fim da temporada e a levar com os estonteantes 45 minutos onde a acção e a intensidade estão presentes e onde aquele “amigo” que sempre conhecemos vestiu o negro e quer destruir um mundo para formar outro cujo Deus é ele e mais ninguém.

Leonard Nimoy e John Noble foram, sem dúvida alguma, os destaques desta quarta temporada: o primeiro porque a sua participação especial deu um outro fulgor à história, um outro sentido de realidade; o segundo porque encarnou, brilhantemente, dois homens com personalidades totalmente diferentes e que, por força do destino, se viram sentados a conversar e a deixar tudo aquilo que se passou para trás para viverem numa paz de espírito, cada um no seu mundo, cada um com aquilo que lhe pertence.

Além das duas partes de “Brave New World”, também “Letters of Transit” mostrou-nos um Futuro que realmente acontecerá dado o panorama actual da história. É na quinta temporada que esta linha narrativa será, finalmente, desenvolvida e será dada uma conclusão a uma série que já fez apaixonar muitos e maravilhar outros e que, ainda assim, não desiste de os querer surpreender.

Faltam apenas mais 13 episódios para que Fringe se despeça dos fãs e que feche mais uma janela da ficção científica televisiva. É com Fringe que todo este furor científico terminará porque, futuramente, não encontraremos série que tenha, ao mesmo tempo, um pé na realidade e outro no imaginário e que faça, tão eficientemente, a ponte entre estes dois.

Artigo preparado por: Jorge Pontes

2 thoughts on “Fringe – 4ª. Temporada (2012)

  1. O grande problema desta temporada é o fato de que esta fora a sucessora da execelente terceira temporada. Mesmo não possuindo a qualidade exorbitante de sua antecessor, esta quarta temporada de Fringe fora intensamente interessante, alimentando cada vez mais a mitologia da série e até nos entregando algumas respostas.

    As expectativas est~~ao em alta para a última temporada da série, só espero que esta saiba finalizar FRinge do modo que a série merece.

    Atts

  2. Parece que ainda ontem comecei a ver Fringe e no entanto já estamos a caminhar para a 5ª e derradeira temporada… Fringe foi a única série que realmente me apaixonou depois de Lost, vou ter tantas saudades de toda a mitologia, de todo o mistério, toda a ficção científica, todas as teorias criadas, dos dois universos, da química de Olívia e Peter, do jeito do Walter, da preocupação da Astrid… Nossa, tanta coisa! Só espero mesmo que o final seja épico e digno de uma série tão boa! E eu acho que vai sim! 😀

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s