Revenge (1×18) – Justice


“Justice is a flawed concept that ulmithy comes down to the decision of twelve people. People with their own experiences, prejudices and feelings about what defines right and wrong. Wich is why, when the systems fail us, we must go out and seek our own justice”

Ainda acho que os constantes hiatus da série prejudicaram sua estabilidade, não que Revenge ainda não mantenha o nível, mas o ritmo perdeu-se um pouco com as longas paradas e mesmo agora desenvolvendo algumas personagens, cada vez mais a mostrar suas verdadeiras cores, ainda falta aquele estopim que a série dava a cada final de episódio, pelo menos até a primeira metade da temporada.

O tão aguardado dia do julgamento chega e com ele toda a expectativa a respeito do destino de Daniel e consequentemente de todos aqueles que com ele convivem. A trama em “Justice” se enrola dentre todas as personagens e cada vez mais percebemos as reais motivações, principalmente o quanto são capazes de ir para se livrarem da culpa, mesmo a criar uma rede de corrupção, chantagem e ciumes. Enquanto Ashley continua a servir de cachorrinha da mídia, o advogado dos Grayson inicia o arduo processo para identificar os perfis dos jurados, afinal o destino de Daniel esta nas mãos destes doze individuos. Considerando a situação, Daniel teria que construir uma relação próxima com os jurados e ninguém melhor que Emily para fazer isto, afinal mesmo não sendo da familia ainda, está por escolha próprio ao lado do noivo e isto poderá surtir algum apelo durante o julgamento, considerando o grau do relacionamento de ambos. Mesmo tentando criar esta ponte entre a defesa e os jurados, Emily dividi seu tempo em acompanhar sorrateiramente tudo que acontece na mansão, tudo isto graças a uma escuta que colocara.

Se tinhamos comemorado que o poor bartender se afastaria por um tempo, a alegria durou pouco, pois este descobri sobre o envolvimento do irmão como testemunha durante o julgamento, decidindo então voltar para o Hamptoms para cumprir com seu papel de Big Bro. Quando os irmãos finalmente se encontram, Declan condena-o por ainda manter o casaco que poderia incriminá-lo, porém mesmo a pedidos do irmão,  preferi mentir no tribunal, pois caso contrário os Grayson irão recolocá-lo de alguma forma como suspeito #1.

Uma das atitudes que mais havia me incomodado desde o assassinato de Tyler foi a maneira com que Daniel pareceu aceitar a situação, desconsiderando quaisquer suspeitas que teria de sua amada, mesmo que estas tenhas sido implantadas por seu ex-amigo psicopata. A relação entre Emily e Daniel deixou de ter aquela estabilidade, estando mais do que na hora que o primogênito voltasse a sentir-se inseguro com o sentimento de sua amada e principalmente, desconfiar de suas verdadeiras intenções.  Jack age como o agente catalizador do temperamento explosivo e descontrolado de Daniel e é quando este avista de longe o bartender entrar na casa de sua amada é que as dúvidas parecem assombrá-lo novamente, inclusive fazendo-o recorrer a bebida. A tentativa de construir um vinculo entre Jack e Emily torna-se cansativa e mesmo sabendo que ambos dividem o passado juntos, este rapaz solitário e amargurado cheio de dúvidas a respeito da mulher que ama, Amanda Clarke não convence, muito disto por não ter apelo algum como personagem e muito menos para compor um triângulo ou quarteto amoroso que assim seja.

Victoria que entra cada vez mais em conflito com Conrad, afinal o ex-marido esta mais presente na mansão devido a situação do filho, tenta de todo custo arranjar maneiras pra salvar Daniel, mesmo que isto envolva chantagear uma das juradas que é mãe solteira. Victoria mostra mais uma vez quão longe está disposta a ir ao usar novamente seu cachorrinho particular Lee. Outro que se mostra o rei da chantagem e baixaria é Conrad, porém este parte para NYC em busca do affair de sua ex-mulher, Dmitri, este que recebe em seu próprio apartamento um ultimato para desaparecer da vida deles e considerando que seu passado é bem sujo e problemático, sabemos que isto iria acontecer, mesmo após Victoria abrir seu coração a ele contando toda a verdade por trás da história de David Clarke.

Como dizem o ditado “Filho de peixe, peixinho é”, Charlotte prova que apesar de tudo que sua mãe escondera e já fizera passar, ainda é filha de quem é. Victoria joga sujo até com a própria filha, incentivando-a fazer qualquer coisa para convencer Declan a mentir a respeito de seu status drogada naquela noite. E assim a pequena garota vesti-se para matar, mais propriamente, vesti-se a provocar, sabemos que os Grayson são tudo farinha do mesmo saco. Inclusive quão cansativo também está a historia dela viciada em comprimidos, chegando ao ponto de vender-se praticamente para o ex-namorado pra conseguir um novo frasco. Cara Charlotte, seu pai estas a revirar-se no tumulo.

Mesmo repartido entre seu amor juvenil, Declan toma a atitude esperada ao confirmar a situação de Charlotte frente a todos no tribunal, o que acaba por derrubar a zero as chances de contornar o apelo da defesa e assim, mais uma vez a carta “Amanda Clarke” é colocada a mesa, intimando Jack a depor, o que poderá quebrar o testemunho do Little Bro, afinal este mentiu para acobertá-lo. Nolan apesar de ser trambiqueiro, é talvez a personagem de maior coração dentre todas, pois a preocupação que senti com um dos seu únicos amigos é visível, tanto que recorre imediatamente a Lady V, esta que mesmo a se dedicar nas páginas e páginas de seu testemunho, acaba por abandonar tudo quando descobri que seu amigo de infância ainda guarda o casaco, maior evidência da noite do crime.

O cerco parece fechar também para Daniel, que preso em sua própria pele e casa observa sua amada a sair de casa e quando decidi ligar pra ver se atende, naturalmente a ligação cai na caixa postal, o que só o faz surtar ainda mais de desconfiança. Para alguém que garantiu não perder o foco da situação, Emily se joga cada vez mais, pois se antes parecia salvar Daniel, agora coloca todas as energias pra tirar o nome de Jack da jogada. O romance faz parte, ainda mais nos moldes que Revenge se impõe, mas sinto falta do sangue a correr pelas veias da Lady V. O motivo enfim da loira ter saído no meio da noite logo é revelado quando invade a casa de Jack simulando um assalto, pegando o casaco ensanguentado que Jack usara na noite do assassinato.

Os minutos finais são dignos de uma bela tramoia por parte do roteiro, principalmente a mostrar o lado explosivo de Daniel, afinal por trás desta armadura de príncipe no cavalo branco, se esconde um jovem revoltado e inseguro com quem é e o que querem dele. Cego de ciumes, rompe a prisão domiciliar ao aguardar Emily sentado na sala dela, o que naturalmente os leva para uma quente briga, com ele finalmente questionando-a a respeito de Jack e tudo que sempre fez as escondidas, sejam as ligações ou sumiços que sempre deu desde que se conhecem. O resultado claro é a policia aparecendo na casa para prendê-lo, o que só complicará seu caso perante o júri. Mesmo não convencendo suas reais intenções com o noivo, Emily usa da tática de que sua aproximação com Jack se deu ao fato de tentar descobrir o paradeiro de Amanda, afinal acredita que a moça possa ter algo a colaborar.

Realmente precisei rever uma vez as cenas finais para realmente processar e mesmo que Emily tenha ardilosamente criado todo o cenário, ainda soa fantasioso demais, porém esta é a mágica da televisão, não é mesmo? A grande jogada de mestre é unir o útil ao agradável, mesmo que isto não agrade a todos, principalmente o capanga Lee. Num sutil movimento, Emily implanta o casaco no carro dele e assim a policia o rende como suspeito do assassinato, ou seja, tira-se Jack da jogada de vez, porém o cachorrinho de Victoria não pretende ficar calado a respeito, afinal se ele vai pro buraco por um crime que não cometeu, fará de tudo pra arrastá-la junto. Desesperada com sua série de estupidezas para salvar o filho, Bitchtoria confessa todas suas sujeiras, obrigando o ex-marido a colocar as mangas pra fora, mangas estas bem sujas de sangue por sinal, mesmo que não diretamente.

Num verdadeiro passe de mágica, quando vemos Daniel arrependido a escrever a sua amada terminando tudo antes que a magoe ainda mais, eis que seu advogado a passar pelas celas se depara com uma impactante cena: Lee enforcado dentro de sua vazia cela com um bilhete suicida confessando o assassinato de Tyler e se antes Emily deu o passe livre pra Jack, agora quem ganha o ticket premiado é Daniel. Agora se Emily dera o passo pra colocá-lo na prisão, quem seria o responsável por colocá-lo na forca, afinal mais do que evidente que alguém como Lee nunca iria se enforcar por um crime que nunca cometera. Agora como é que ninguém viu nada, considerando que as celas pareciam ser individuais.

O grande twist se dá quando Emily conversa com Nolan durante mais uma triagem do áudio da mansão,porém diferente das outras vezes,  acaba ouvindo algo que mudará mais ainda sua visão e principalmente sua sede, não por justiça e sim por vingança. Como ficara suas prioridades e principalmente o foco no seu plano com seu noivo inocentado e esta mudança drástica de cenário com a revelação de que Conrad, assim como fizera com seu pai, contratou alguém de dentro do sistema presidiário para limpar suas sujeiras, ou seja, Lee não se enforcou e sim foi enforcado e a principal vítima, David Clarke sofrera o mesmo fim, num belo e clássico estilo queima de arquivo.

“Another David Clarke style-situation”

Como a Lady V vai agir daqui pra frente é que será o grande divisor pra concluir esta temporada e dar gás pra segunda etapa, esta que tem uma grande responsabilidade de manter o ritmo e qualidade de quase toda a temporada de estréia.

Artigo preparado por: Mary Barros

3 thoughts on “Revenge (1×18) – Justice

  1. Nossa Mama eu adorei este episódio.

    Toda a reviravolta que este proporciornou, todas as artimanhas da Musa Emily/Amanda… Enfim, pouco tenho a reclamar, Revenge é uma das melhores estréias que a temporada 2012/13 nos apresentou.

    Atts

  2. Em uma das primeiras reuniões falaram que Revenge era boa. Meio que resisti por um tempo, até que deitei no sofa da casa tia e o controle da tv estava longe demais para a preguiça que me acometia.
    O episódio passou num segundo, achei doido demais.
    Agora estou em dia, Revenge ganhou mais expectador e as review ganharam mais um leitor.
    Quanto ao episódio, achei que os roteiristas meio que se arrependeram do rumo do Daniel estava tomando e resolveram tudo com Deus ex machina (um cara aleatório que apareceu na série para limpar a barra de todo mundo e morrer).
    Até mais…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s