Sons Of Anarchy (5×11/12) – To Thine Own Self / Darthy


To Thine Own Self

sons5x11-5Como é estranho ver personagens cometendo os mesmo erros. Começar com Tara colocando Jax contra a parede com o desejo de sair de Charming foi uma sacada incrível dos roteiristas, por nos relembrar que ela já tentou se afastar uma vez e quase perdeu a mão por isso.  A escolha de palavras da cena é igualmente bem feita, por mostrar que ela acredita mesmo que o clube tem entrado nos eixos e que tudo está por se resolver, o que é ironico, pois nunca houve tranquilidade para os Sons, eles sempre estiveram na corda bamba esperando serem esmagados por alguma das ameaças constantes. Assim, é ilusão de que as coisas estejam se ajeitando, mesmo que o clube se livre das drogas eles ainda terão de lidar com outros problemas. A inocência de Tara em acreditar que SAMCRO deixará que ela saia da cidade sem consequências chega a ser patética.

Por falar em Tara, o processo de transformação dela em Gemma avança muito nesse episódio, com o destaque para o crescendo da amizade entre ela e o Unser. A cena é muito mais calma do que aquelas que estou acostumado a acompanhar em Sons, e é um boa surpresa, o ritmo é bem feito e a conversa não chega a ser forçada. Se o apaixonado Unser faria qualquer coisa pela atenção da Gemma (uma relação muito explorada na série) me parece óbvio que ele faria o mesmo por Tara.

O que avança também é o plano de Jax em se livrar do Cartel. Reunir os parceiros que ele juntou durante essas temporadas para dividir as tarefas me lembrou a época em que a guerra entre os Sons e Mayans era uma constante na série,  Foi bom ver o protagonistas tomando um caminho diplomatico para variar um pouco. Dentro desse plot, a votação do clube para sair das drogas serviu de demonstrar que nem só de derrotas se construiu o reinado do Jax, além de servir para justificar Clay ter conseguido esconder os papéis que o incriminariam diretamente nos ataques (que já parecem tão distantes).

sons5x11-1Próximo ao fim do episódio, Jax conta para Chibs e Bobby toda a verdade sobre o ataque a Tara e a morte de JT, em um dos raros momentos em que ele próprio não aguenta o peso sozinho. Nesse ponto fica claro que não há mais salvação para o Clay, que não futuro possível em que exista estabilidade entre os dois, e um deles tem que morrer. Isso fica tão óbvio, que Bobby oferece algum acordo para tirar Clay com vida disso tudo, como isso vai acontecer é o que me deixa mais curioso pelo próximo episódio.

Sons Of Anarchy começa a se acertar para o sua Season Finale, dando a deixa que muito ainda há por se resolver, talvez mais que o planejado para essa temporada.

 

NOTA: 8,5

 

Darthy

sons5x11-4Clay se entregou… e que medo.

Como ele consegue? Como Ron Pearlman conseguiu dar tanta complexidade para um personagem de tão poucas palavras.? Clay é um vilão no sentido mais literal da palavra, mas mesmo assim tem algo que me faz ser possível sentir pena, até simpatia pelo sofrimento que ele consegue causar nos outros e em si mesmo. Quando ele diz à mesa sobre os ataques que orquestrou, é possível ver que ele compartilhou sim a verdade com os outros. Quando todo o plano de Bobby funciona, e Clay perde seu lugar como um Son, tive a sensação de que o personagem preferia a morte do que se expulso do clube.

Na sequência, Jax da uma surra exemplar no padrasto. Diante disso tudo, pela primeira vez na série, Clay chora, e que momento único. Já vi o personagem hospitalizado, com buracos de bala no peito, mas nunca vi tamanha vulnerabilidade partindo dele. Sons of Anarchy sempre deixou claro que o colete é o que define, e sem isso ele não é absolutamente nada. A única coisa que o personagem tem, fora isso, é Gemma (uma incógnita desde todo o rolo com Nero). É um momento único como expectador da série.

Fora isso, os roteiristas optam por mostrar os acertos do fim do acordo entre o clube e o Cartel. Tornar as negociações conflituosas e complicadas foi muito bom por parte dos roteiristas, porque consome tempo de exibição de forma muito boa e apresenta os Irlandeses como novos possíveis antagonistas para os Sons.

Por falar em novos antagonistas, o episódio nos apresenta o irmão da enfermeira morta por Otto, que é um agente federal aposentado. É muita sorte, não? Todo o dialogo em que ele se apresenta é de uma tensão impar. O problema é que apresentar o personagem tão longe na temporada demonstra que a série vai deixar muitas pontas soltas para a próxima, uma escolha que normalmente não sou muito fã.

sons5x11-2jpgVoltando ao Clay, como foi bom vê-lo tentando se reerguer no meio do caos que se instaurou na sua vida, pedindo que Gemma vá com ele para Belfast, apostando todas as fichas no relacionamento dos dois longe de Charming. Como é praxe na série, acho que ele será castigado pela coragem de tentar fugir, e a cena final em apagam as tatuagens parece um grande indicio de que essa viagem para Belfast não vai acontecer (mesmo que eu não consiga ver o personagem sobrevivendo de outro jeito).

Ainda houve o drama da Wendy. Realmente não achei que ela pudesse render algo de util para série,até ela ser levada pelos Irlandeses, que rendeu dois bons momentos: quando ela ameaça pedir a guarda de Abel e a forma com que Jax anula essa ameaça na cena final. A cena é de uma selvageria muito bem construída, o cabelo desalinhado de Jax demonstra o quão irritado ele ficou com a ex, o que reforça o grande mantra “não mexa com a minha família  novamente.

Darthy seria só um bom episódio, se não fosse por Clay e Ron Pearlman.

Nota: 9,0

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s