Revolution (1×09) – Kashmir


Como a minha adorada diva Nicole Scherzinger diria na desilusão que está a ser o X-Factor UK “No, baby, no!”

É exatamente assim que eu me sinto em relação a este episódio. No, baby, no!

Que episódio mais absurdo e desnecessário. Apenas serviu para ganhar tempo para o winter finale no próximo episódio e para mostrar que Rachel afinal não é apenas uma prisioneira de luxo sem nada para fazer, mas sim uma habilidosa construtora de armas letais. Mas falemos dela mais à frente.

A caminho de Philadelphia para salvar Danny, o grupo de Charlie, Nora, Aaron e Miles tem de se encontrar com um grupo de rebeldes, pois só assim conseguem chegar ao seu destino em segurança.

Depois de muito lutar pela confiança dos rebeldes, Miles consegue convencê-los, afirmando que lhes trazia a cabeça de Monroe em troca da ajuda deles.

ru2Assim, Charlie e os outros percorrem um túnel para chegar a Philadelphia, acompanhados dos rebeldes, que asseguram que se Miles estiver a mentir, não sairá vivo daquele túnel.

Charlie, mesmo que inconscientemente, tem de fazer asneira. Sempre. Desta vez pisou uma mina, que se não fosse a ajuda preciosa de Nora, teria rebentado e morreriam todos graças a mais um deslize de Charlie. Com a ajuda de Nora, todos fugiram e o impacto da mina foi maior, fazendo apenas o teto atrás deles ruir, e a passagem ser bloqueada com rochas. Não comprometeu a sua continuação para saírem do túnel, mas bloqueou a entrada de ar e assim os nossos amigos começaram a ter alucinações.

Aprendemos que Nora tem medo de crocodilos e Aaron ainda pensa frequentemente na sua esposa. Na minha opinião, a sua amada ainda está viva, e muito provavelmente deverá estar “à sua espera” em Philadelphia. Ou até mesmo a trabalhar para a milícia. Estão a dar muito destaque a uma personagem do passado, e não se sabe exatamente o que aconteceu depois de Aaron a ter abandonado, o mais provável é ela ainda estar viva, e estar a preparar um regresso triunfante.

ru3De seguida, é a vez de Miles ter uma alucinação. Mesmo no que toca a alucinações, Miles é a única personagem que consegue fazer alguma coisa de jeito. A sua alucinação teve alguma utilidade e até fez algum sentido. Ele encontra-se no escritório de Bass na milícia e os dois conversam.

É-nos dada a conhecer um bocado da interação dos dois e o que fez Miles sair da milícia. Nos seus tempos no comando da milícia, Miles tentou matar Bass. Mas no momento crucial, este não foi capaz de apertar o gatilho, e acabou por não o fazer e abandonar a milícia. Miles tem medo de trair Charlie, pois a sua tentação de voltar para a milícia é grande, e ele tem medo de não resistir e virar-se contra ela.

Todo o episódio parece ter sido uma justificação para que este momento tenha acontecido. Um primeiro momento entre os dois. Mas não haveria outra maneira de colocar a cena, sem desperdiçar um episódio inteiro apenas para que uma alucinação de Miles acontecesse? Tudo pareceu um bocado forçado, criado de propósito para o impacto da conversa entre os dois amigos de infância/inimigos mortais.

Wheatley, um dos rebeldes vê uma porta que os pode levar a uma saída, o que é importante para eles pois estão prestes a morrer por falta de oxigénio.

Acontece que tudo não passou de uma armadilha de Wheatley, que trabalha para Bass como um agente duplo. Ele pretende levar Miles a Bass.

Eles saem pela porta, trancando-a, mas o resto do grupo consegue abri-la.

ru4Wheatey mata todos os rebeldes, e a nossa Katniss Everdeen, perdão, Charlie consegue lançar uma flecha ao rebelde traidor, mas não o impedindo de lhe dar um tiro quase certeiro.

É a vez da alucinação de Charlie, numa cena que apenas serve para justificar o salário do ator que interpreta o pai dela na série. Vemos a jovem deitada no sofá da sua casa, e o seu pai a dizer-lhe para ir chamar Danny e Maggie para jantarem. Mas rapidamente apercebe-se que está a sonhar, e então diz ao seu pai que tem de ir salvar Danny, e que afinal não chegarão a tempo para o jantar.

E por fim espera-nos a melhor cena do episódio, a única que o salvou de ser o pior episódio de uma série desta semana, perdendo apenas para 90210.

Uma salva de palmas para Rachel. Estava a tentar enganar Monroe, com o seu tão chamado amplificador, mas que afinal era uma bomba. Ao desconfiar disto, Bass chama o Dr. Jaffe, outro cientista prisioneiro para verificar. Este trai a sua ex-amiga, dizendo que ela está a construir uma bomba. Rachel entra em pânico quando Bass descobre, e suplica-lhe por perdão, mas Bass não tem piedade. Rachel diz-lhe que ele precisa dela, mas como Bass tem o Dr. Jaffe, ele poderia fazer o mesmo serviço que ela estava a fazer, sem correr o risco de ser vítima numa explosão. Então num ato desesperado, Rachel apunhala o seu ex-amigo cientista.

Now you need me.

Monroe não tem outra opção sem ser aceitá-la de volta, se ele quiser o seu amplificador de volta. Well played, Rachel, well played.

Revolution não se pode dar ao luxo de fazer mais episódios destes. A sua credibilidade é pouca, uma vez que é iniciante e ainda não tem a sua história bem firme, e qualquer falha pode estragar todo o interesse de alguém por esta série. O que vale é que a winter finale compensa este fracasso de episódio.

5,9

One thought on “Revolution (1×09) – Kashmir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s