Revolution (1×06/07/08) – Resumo


Revolution ainda não é um vício. Não é aquela série em que acaba o episódio, e ficamos a implorar por mais, desejosos para saber o que vai acontecer a seguir. Não ficamos ansiosos para descobrir as aventuras dos próximos episódios e não ficamos de boca aberta com as revelações feitas durante estes. Mas ainda assim, é agradável de ver. A série tem muitas falhas, tanto no enredo como no elenco, mas a sua história é interessante e vai rendendo bons momentos.

Nestes episódios a série começa a responder a algumas perguntas, e lentamente está a deixar as coisas mais interessantes de se ver.

(1×06) – Sex And Drugs

Este foi o episódio mais dispensável até agora. Foi um filler de certa forma, pois não desenvolveu a história principal da série, e a razão porque toda a gente a vê: porque é que o blackout aconteceu? Apesar de não termos tido revelações nesse campo, ficámos a conhecer outra personagem do grupo de resgate ao Danny: Aaron.

Aaron era um homem rico, poderoso, que vivia numa enorme mansão. Ele tinha tudo o que queria, inclusive uma sensual esposa. Mas tudo mudou depois do apagão. Aaron que desde sempre estava habituado a ter tudo o que queria num estalar de dedos, e agora teria de sobreviver às suas custas, pois estava sozinho. Impotente por não conseguir proteger a sua esposa, Aaron decide deixá-la, pensando assim que ela estaria mais segura com o grupo que os acompanhava, sem o ter por perto a atrapalhar.

Na atualidade, Aaron e o seu novo grupo estavam à procura de ajuda, pois Nora tinha sido esfaqueada e o corte estava a infetar. Miles tinha um amigo que conhecia um médico que os poderia ajudar.

Drexel é um traficante de heroína, frequentemente encontrada em papoilas, tendo um grande campo destas nas traseiras da sua mansão. Drexel é um homem que gosta de jogos, de se divertir às custas dos outros, e pode ser muito perigoso. Por isso recebe Miles e os outros duma forma bastante calorosa, digamos assim.

Em troca de curar Nora, Drexel quer que Charlie vá a casa da família que queimou o campo de papoilas dele, e mate o patriarca dessa família. Charlie, como sempre, banca a heroína e quer salvar toda a gente.

Ao ver que tem de salvar Charlie, que estava incomodada por ter que matar alguém, Miles vai ao seu resgate, deixando Nora e Aaron aos cuidados de Drexel, que os desafiou para mais um pequeno jogo. Este não acabou tão bem para Drexel, pois o seu esquema acabou por virar-se contra ele, e acaba morto ao ser enganado por Aaron. Assim, O nerd e Nora saem da mansão do traficante sãos e salvos.

Charlie esteve um bocado mais irritante neste episódio. Quis salvar toda a gente e ser a heroína da história, mas acabou por ser o contrário, e toda a gente a salvá-la.

Ao ir à procura do irlandês para o matar, Charlie descobre o seu lado humano e que afinal ele é boa pessoa. O seu objetivo era vingar a morte da sua filha, que lhe tinha sido tirada por Drexel.

Entretanto, Neville leva Danny para Monroe, o que lhe dá direito a uma promoção, e é feito o primeiro contacto entre Rachel e o seu filho. Ao princípio, Danny estava assustado, mas acabou por ceder ao abraço da mãe, correspondendo o gesto. Esta união pode render muito, e se for bem aproveitada, pode criar grandes tramas, como o porquê de Rachel ter-se juntado à milícia este tempo todo.

Nota: 7.0

(1×07) – The Children’s Crusade

Ao contrário do episódio passado, este fora bastante interessante, deixou-me bastante empolgado.

A caminho de Philadelphia para resgatarem Danny, Miles, Nora, Charlie e Aaron são abordados por um grupo de crianças armadas. Descobre-se então que estas crianças são órfãs, os seus pais foram mortos pela milícia. A criança mais velha, Peter, tinha sido levada pela milícia recentemente, e então o seu irmão mais novo Michael queria ir atrás dele.

Charlie, mais uma vez arma-se em heroína e quer ir salvar Peter e ajudar Michael. Compreendo a sua intenção. Charlie está a passar por tudo o que aqueles jovens estão a sentir. Ao ter também os seus pais mortos pela milícia, e o seu irmão também levado por eles, Charlie acredita que ajudá-los a fará sentir-se melhor para assim continuar a sua busca.

Miles apoia Charlie na sua decisão, para espanto de todos. Miles sente-se culpado pela situação em que as crianças estão. Elas ficaram sem pais durante o seu “reinado” na milícia, e sente-se responsável por lhos ter tirado. Agora está a tentar expiar os seus pecados, e Michael é um bom começo.

Ao seguirem a carroça onde Peter está cativo, vão ter a um grande barco, uma espécie de Hogwarts, só que forma soldados assassinos. Peter é um novo recruta, e assim Charlie vai atrás dele, infiltrando-se também no barco.

Miles tem agora a oportunidade de resgatar Charlie mais uma vez, e Peter. Com a ajuda de Nora, ambos entram no barco e acabam com quase todos os soldados a bordo. Todo este resgate serve de pretexto para presenciarem um fenómeno bastante inesperado: o farol deu luz.

Aaron escondeu-se dos soldados no farol com as crianças, e ao encostar o seu colar a uma das máquinas do farol, este acendeu e fez-se luz, para surpresa de toda a gente.

Aaron acabou por mostrar o pendente a Miles, que ficou furioso por não saber antes. Aaron também acha que foi por causa do pendente que a milícia veio atrás de Ben.

Entretanto em Philadelphia, foi apresentado Bradley, um cientista que estava envolvido no projeto dos doze dispositivos que podem voltar a ligar a eletricidade, e agora está nas mãos de Monroe, que está em busca dos pendentes.

Foi revelado também que Rachel estava em riscos de perder o seu bebé, Danny, e que recorreu à ajuda de um doutor para que o bebé nasça são e salvo.

Esse mesmo doutor na atualidade tem Grace, outra portadora do pendente, cativa. Tal como Miles tem Rachel, Grace não está numa prisão, é uma refém livre, por assim dizer.

Com cada vez mais respostas, a busca pela eletricidade cada vez é maior, e a luta vai ser cada vez mais difícil.

Nota: 7.7

(1×08) – Ties That Bind

Desta vez foi o passado de Nora que foi explorado. Quando ainda era criança, ela e a sua irmã Mia ficaram sem a mãe, depois do apagão. Então foram em busca do pai para o Texas, onde também não o encontraram.

A partir daí seguiram caminhos separados. Não sabemos ainda muito sobre Nora, apenas que se cruzou com Miles no passado, mas a sua irmã passou a trabalhar para a milícia, e o alvo de Mia desta vez era Nora e o seu grupo.

Ao tentarem atravessar a ponte em direção a Philadelphia, são vítimas duma cilada, provocada por Strausser, um membro da milícia, o único que Miles temia durante o seu tempo como comandante.

Strausser procurava o pendente, para o entregar a Monroe. Em troca receberiam Mia, irmã de Nora.

O grupo preparou uma armadilha para a milícia e assim conseguiram resgatar Mia, continuando com a posse do pendente.

A relação das duas foi-se fortalecendo ao longo do episódio, onde Mia contava a Nora que tinha encontrado o pai delas numa missão, e tentava persuadir Nora a desistir de ir salvar Danny. Nora e Charlie não parecem assim tão unidas para Nora recusar ir visitar o pai, em troca de arriscar a vida para salvar o irmão dela. Se estivéssemos a falar de Miles ou Aaron era mais compreensível, mas Nora parecia muito empenhada na sua causa. Isso mostra uma mulher nobre que põe os interesses dos outros à frente dos seus. Nora pode também estar a redimir os seus males. O seu passado com Miles é inevitável, e muito provavelmente ela também o ajudou na milícia. Ajudar Charlie é o mínimo que ela poderia fazer.

Mas Charlie acabou por se intrometer nas duas irmãs, fazendo asneira como sempre, e disse a Nora para ir com a irmã. Ambas partiram, e foi aí que Mia roubou o pendente a Aaron e o entregou a Strausser. Traída, Nora abandonou a irmã numa bonita cena, talvez a cena mais emocional da série até agora. Atuação bastante sólida de Daniella Allonso, a bela Nora.

Miles, Charlie e Aaron foram atacados pela milícia, mas acabaram por ser salvos por Nora, que entretanto voltara para os seus amigos.

Assim que conseguem fugir, todos mergulham para o rio e assim conseguem chegar à outra margem. Estão cada vez mais perto de Philadelphia e de Danny.

Em Philadelphia, Tom lidava com o seu filho, que estava ser prestes a ser castigado por ter sido acusado de traição. Ou ia para uma viagem perigosíssima à California, ou era condenado à morte.

Tom descobriu então que o filho do coronel Faber, responsável pelo castigo do seu filho, era um rebelde. Esta informação demonstra-se valiosa, e Tom usa-a para beneficiar o seu filho, e assim castigar Faber.

Strauss aparece e finalmente Monroe tem acesso a um pendente. O primeiro de doze está na posse de Monroe.

O que fará Monroe com o pendente? Será que Rachel o ajudará para salvar Danny? E quando é que Miles e os outros chegam a Philadelphia?

Nota: 7.9

3 thoughts on “Revolution (1×06/07/08) – Resumo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s