Once Upon a Time (2×07) – Child of the Moon


Once one controls something, one no longer need fear it.

Não que eu torça pelo lado negro da força, mas quando o Rei George apareceu no fim do episódio “Lady of the Lake”, esperava que estivessem guardando para ele uma grande cena. Algo que realmente fosse fazer David surtar ou tirá-lo da jogada por um determinado período de tempo, mas eis que o Rei me aparece no episódio da Ruby e coloca em ação o plano mais ridículo da história. Que me perdoem aqueles que adoraram o episódio, mas realmente me irritei em alguns pontos.

“Child of the Moon” começa com a Ruby desesperada com a chegada da Lua Cheia e o fato dela não ter mais a capa que a impede de se transformar em lobisomem. Tudo bem, a preocupação dela é realmente válida, especialmente quando não se sabe se a maldição do lobo funciona da mesma forma que funcionava na Floresta Encantada, mas todo aquele drama da Ruby dizendo que precisa ficar trancada e se auto desprezando me deixou meio irritada.

Não me interpretem mal, eu adoro a Ruby. Ela é uma das personagens que sempre torci para ter destaque, mas esse episódio não conseguiu me fazer dizer “Uau, como eles acertaram em tudo!”, e dessa vez não tem nada a ver com o fato da Emma e da Snow mal terem aparecido, mas sim com a forma que levaram a história.

Enquanto em Storybrooke a Ruby  tentava se manter longe de todos por causa da Lua Cheia, no flashback ela fugia dos guardas da rainha junto com a Snow. Em um resumo bem rápido, Snow e Red/Ruby conseguem escapar da garra dos homens, mas em meio à fuga Red acaba rasgando a sua capa vermelha, que impede que ela se transforme em lobo. Sem saber se a capa vai ou não funcionar, Red decide passar a noite afastada da Snow e as duas combinam de se encontrar no dia seguinte.

Quando acorda no meio da floresta, ainda usando a capa, Red percebe que o pequeno rasgo não tirou a magia e fica feliz por finalmente voltar para encontrar a Snow, para continuarem fugindo juntas. Pois bem, no meio do caminho, Red é abordada por um sujeito que não perde tempo com enrolações e revela que também é um lobisomem. Quinn, seu mais novo amigo, conta que pode ajudá-la com toda a coisa da transformação e a leva para o lugar onde se reúne com os outros da alcateia. Lá acontece uma das maiores revelação do episódio: a mãe de Red está viva e é líder daquele pequeno grupo de lobisomens.

Aproveitando o reencontro, a mãe de Red conta que tudo o que sua avó disse sobre sua morte era mentira (o que já estava bem na cara) e que ela só inventou tudo aquilo para poder afastar as duas, pois não concordava com o estilo de vida da mulher. Com isso, a mãe de Red convence que ela deve ficar e começa a lhe dar lições sobre como agir na forma de lobo.

Dias se passam e finalmente Red consegue realizar as transformações sem apagar por completo e se render ao lado selvagem do lobo. Isso rende uma comemoração, que é interrompida com a chegada de Snow, que estava procurando pela amiga há dias. As duas conversam e Red revela a novidade para Snow, decidindo ficar com o grupo e deixar que ela siga sozinha seu caminho. Tudo ia muito bem até os guardas da rainha invadirem o lugar, causarem um tremendo estrago e matarem Quinn – o que deixou a mãe de Red bastante irritada. Snow, que não tinha nada a ver com a invasão, acabou sendo culpada e sentenciada a morte.

Entretanto, apesar de ser imensamente grata a sua mãe por tudo o que aprendeu, Red permanece leal a sua melhor amiga e, na hora em que sua mãe está prestes a atacar, Red a impede e com isso a mata. E esse foi basicamente o fim do flashback.

Não vou dizer que não gostei da história da Red e da forma que ela aprendeu a se controlar porque gostei, mas (sempre tem um “mas”) quando pensava em um episódio da Ruby/Red como protagonista, pensava em algo mais interessante e não com ela matando a mãe no flashback e vivendo um drama de vida em Storybrooke.

Pois bem, comecei a review dizendo que a aparição do Rei George foi a mais ridícula de todas, e agora vou falar um pouco mais sobre isso.

I know who you really are Ruby, even if you’ve lost sight of it.

Todo mundo sabe que o Rei não curte muito o “filho” e seu objetivo de vida é ferrar com a vida dele até dizer chega. O problema é que nesse episódio, o Rei decidiu agir através de Ruby. Aproveitando-se do fato de que ela estava desesperada por causa da “coisa do lobo”, o Rei tratou logo de seguir seu plano potencialmente maligno, matando um cara e dando um jeito de incriminar Ruby, colocando a cidade contra David.

Juro que esperava que ele, sei lá, tentasse matar o filho ou conseguisse fazer com que todos o odiassem de verdade, mas a única coisa que o George faz é revelar para cidade inteira que o Xerife defende um lobo assassino e que eles devem se unir para matar o lobo antes que mais alguém morra.

Assustada e convencida de que realmente matou um inocente, Ruby decide que vai se entregar para o povo da cidade que quer matá-la e com isso vai fazer um passeio na forma de lobo, torcendo para que alguém faça justiça. Obviamente, no meio do caminho David surge e, com a ajuda da avó de Ruby, descobre a verdade sobre o assassinato e encontra a capa vermelha que mantem Ruby humana. Ele também salva o dia quando consegue se aproximar de Ruby em sua forma de lobo e mostra para toda a cidade que ela não oferece perigo para ninguém. Com isso, a credibilidade de David perante a cidade é restaurada e o plano de George vai pelo ralo.

E aí quando eu penso que a coisa não podia ficar mais tediosa, David decide ir atrás do “pai” e quase tem um ataque dos nervos quando George – depois de fazer um discurso monótono – zomba da cara de David e joga na fogueira o chapéu mágico, ou seja, acaba com a “única” chance de David trazer Emma e Snow de volta para casa.

Perdoe-me mesmo quem achou o episódio incrivelmente genial, mas esperava muito mais de George. Foi tudo muito óbvio, pois quando a Ruby reclamou da capa perdida e o rei entrou em cena, já tinha ficado na cara que tudo aquilo era armação dele e o resto foi bem previsível. Até mesmo ele ter roubado o chapéu de David foi uma atitude previsível, pois já tinha ficado óbvio que alguma coisa ia acontecer com o chapéu, uma vez que David e Snow formam o casal que mais se ferra na série. Nunca vi casal para se desencontrar tanto, senhor.

Ponto alto do episódio: Henry. Ele mal apareceu, mas só o fato dele ser o único a ter créditos com o Mr. Gold já me fez achar a cena muito linda. Adorei quando Gold apareceu e não cobrou nada do garoto em troca daquele medalhão que o ajuda controlar as chamas do quarto para onde ele sempre vai quando dorme.

E por falar no tal quarto, outra grande revelação foi o fato de que as idas do Henry até o local podem ser a chave que todos precisam para se comunicar entre os dois mundos, já que dessa vez ele conseguiu enxergar Aurora lá dentro, coisa que não tinha acontecido antes.

A nota de hoje vai ser a mais baixa até agora, tudo porque eu queria ver o Rei Malvado em ação e dei de cara com um velho mimado tentando chamar a atenção da forma errada. Sim, estou revoltada HUAHAUHA e para completar, a audiência desse episódio despencou 23% e atingiu a marca de 2,7, ou seja, acho que muita gente esperava mais né?! Não estou só na causa HUAHAUHAUHA

Até a próxima, amores! E, mais uma vez, me desculpem por ter sido extremamente chata com a review desse episódio =P

2 thoughts on “Once Upon a Time (2×07) – Child of the Moon

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s