The Walking Dead (3×02/03) – Sick / Walk With Me


…:: (3×02) – Sick

Sick nos relembra como The Walking Dead Dead funciona bem quando se estrutura sobre quests curtas.

A série, principalmente na primeira temporada, se mostrou muito boa nos momentos em que eles têm objetivos claros que os levam a buscas (as quests) que duram um ou dois episódios. Essa estrutura permite que a tensão se mantenha em alta, o que ajuda em uma série que se mostrou fraca nos dialogos (vide segunda temporada). Se na Season Premiere encontramos a prisão que servirá como moradia para os sobreviventes, em “Sick” temos a busca por limpar o resto da prisão, o que trará a comida que Rick e companhia precisam (me lembra muito minha época de RPG). Claro que um trato com os presos não seria exatamente pacífico.

Curiosamente, escolheram o clichê na apresentação dos presos, note como há o gigante e bobo, o conciliador, o “Maria vai com as outras” e o malvado.  É um grupo de fácil assimilação pelo expectador, o que vai explicar a trama se desenrolar tão rápido. Outro ponto positivo dessa rapidez é demonstrar mais da mudança interna de Rick, que muito pouco se parece com o xerife moralista da primeira temporada.  A cena em que o nosso protagonista escolhe não dar o benefício da dúvida e acerta a cabeça de um dos prisioneiros, sem pestanejar, é um expemplo dessa mudança.

Ainda no quesito evolução de personagens, Carl demonstrou novamente o quão parecido com Shane ele está se tornando, e isso em apenas duas cenas: ao apontar a arma para o Hershel e quando ele assume as redeás da situação e vai até a enfermaria sozinho. Ao contrário da Lori, Carl começa a parecer um personagem interessante dentro da trama e espero que seja bem aproveitado.

Falando na Lori, ela continua um porre. Parece que a personagem se acha injustiçada pela distância que o Rick tomou dela, enquanto assume uma postura passivo agressiva, e isso torna impossivel sentir empatia pela personagem. Até aqui, estou chovendo no molhado. Só que em “Sick”, tão chata quanto Lori, houve a Maggie. Os únicos planos em que a filha do Hershel apareceu, foi para chorar e reclamar, em um auge anticlimático de melodrama. Nesse episódio a personagem foi um contraponto incômodo, espero que essa não seja o rumo da personagem.

Algo que costumo reclamar é dos detalhes em TWD, e aqui eles voltam a me incomodar. A limpeza do rosto dos presos, com suas barbas bem feitas e retocadas, mesmo depois de meses trancados enquanto faziam as necessidades no freezer. Esse é um exemplo de pequenos defeitos da série que poderiam ser consertados com poucos recursos e tempo, e que me tiram da imersão que TWD necessita.

O resultado? “Sick” é um bom episódio que continua o bom ritmo do seu antecessor, mas que também enuncia um problema: A série não pode se desenrolar em quests pequenas para sempre, logo ela terá de se acentar e focar nos dialogos e em uma linha narrativa maior, e é nesse ponto que os roteiristas têm de se provar. Com a chegada do Governador eles têm um bom material em mãos, é esperar que seja bem aproveitado.

P.S: O episódio ganha pontos pela cena em que os presos tentam matar os zumbis no “Prison Style”. Faltam alivios cômicos em The Walking Dead.

…:: (3×03) – Walk with me

Em um mundo cheio de zumbis, não deixa de ser irônico morrer em um acidente de helicóptero.

Em um raro momento, The Walking Dead consegue colocar seu texto como uma boa justificativa para seus momentos de ação e tensão, apresentando com sucesso o Governador, que promete ser o grande contraponto de que a série tanto precisa.

Essa chegada foi anunciada por muito tempo, não tendo nada de surpreendente sobre o papel do governador dentro série. Se um personagem é um grande vilão e todos sabem disso, não há porque tentar mostrá-lo de outra forma no episódio em que ele é apresentado. Ao invés de perder tempo tentando criar uma falsa impressão, é muito mais inteligente usar esse tempo para mostrar as motivações do personagem. Afinal, porque ele faz o que faz? Qual a sua lógica? É nesse ponto em que se cria um grande paralelo (ainda muito sutil) entre protagonista e antagonista, entre Rick e o governador.

Toda a apresentação da cidade de Woodbury, o grande paraiso seiscencista onde as pessoas vivem, foi muito bem feita estéticamente. Não é por acaso que a cidade parece com as cidades padronizadas de Tim Burton (na época em que ele fazia filmes diferentes uns dos outros), a cidade é um exemplo da comunidade em que todos vivem pelo bem comum sem questionar seu papel, mesmo porque, não há espaço para isso desde o momento em que não questionar é melhor do que viver o perigo do apocalipse zumbi. Eu não recusaria viver em Woodbury.

Se esse sonho de comunidade foi alcançado, é justo que o governador lute com unhas e dentes pelo pouco de paz que ele já conseguiu alcançar, levando em conta que o Rick já acertou facão na cabeça alheia por menos que isso. É um dos momentos em que todo o negócio do apocalipse zumbi nos faz pensar em  até que ponto as regras morais da antiga sociedade ainda valem, pois, de acordo com o Governador, são elas que nos colocam como humanos, mas é ele que pode contorná-las no momento em isso significa o “melhor” para a cidade.

Em certo momento, Merle diz em tom professoral que o mundo está ficando menor, o que justifica o grande fator coincidência do episódio. Se há menos pessoas no mundo, o fato das pessoas se encontrarem torna muito mais crível para mim, como expectador. Por falar no Merle, ele continua tanto assustador quanto era na primeira temporada. Ao contrário do Shane, que foi se tornando uma ameaça enquanto evoluia dentro do grupo, Merle sempre se configurou um elemento antagônico, o mistério que é a evolução do personagem pode ser um dos pontos mais interessantes desse momento.

Seguindo o clichê, dois personagens diferentes enxergam o reduto de formas completamente diferentes. Enquanto Andréa se apaixona, quase instataneamente, pela vida pacifica do vilarejo, Michnone é mais desconfiada. É nesse ponto que o episódio tem seu ponto mais fraco, pois a atuação da Danai Gurira começa a parecer muito fraca nos momentos em que ela não tem uma espada para falar por ela.

“Walk with me” é um dos raros momentos em que o roteiro alcança momentos de tensão, criando uma boa sinergia entre eles. Espero que continue assim.

4 thoughts on “The Walking Dead (3×02/03) – Sick / Walk With Me

  1. Dois episódios que mantêm a ascensão da série em comparação com a temporada passada. The Walkin Dead tem na 3 temporada a primeira que pode ser apelidada de excelente. Isto depois de uma primeira fraca e que nada prometia.

    Quanto aos episódios, o segundo ganha com o aparecimento dos presos e tudo o que os rodeia, Faltava, em TWD, a introdução de outras personagens que trouxessem tensão ao grupo. Assim, se criou um bom episódio.

    O terceiro episódio é o mais fraco de todos até agora. Na verdade, torna-se difícil justificar a cisão no grupo e a necessidade de cobrir o que acontece com os que não estão no grupo de Rick. Tudo o que rodeia o Governador é previsível e o conteúdo das personagens “dado” de uma forma que tornou o episódio vazio. Sinceramente, foi mau e estive sempre esperançado num retorno a Rick e companhia, não ocorreu.

    Mas, sem spoilers, devo dizer que o episódio 4 é o melhor até agora. Pensar que depois da primeira temporada eu me perguntei porque dava chance a TWD… o episódio 4 da terceira temporada é para ver e recomendar, é o ponto alto do que é, até agora, uma belíssima temporada.

  2. Está sendo bem interessante a forma com que esta temporada está por ser construída, os episódios estão mais consistentes e poderosos.

    Aguardando ansiosamente o quarto episódio, já ouvi falar que este é chocante.

    Atts

  3. porque na primeira temporada os zumbis eram mais inteligentes? No caso da mulher que tentou abrir a porta e depois quando um pega uma pedra p/ quebrar o vidro do shopping .

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s