Arrow (1×02) – Honor Thy Father


Para começar, parabéns a Arrow, que foi a primeira a ser escolhida para uma temporada completa para a CW. Prevejo que esta se torne a nova queridinha do canal.

Depois duma ótima première, Arrow presenteia-nos com um também fantástico segundo episódio. A história evolui e são revelados mais alguns pormenores do que aconteceu naquela ilha, onde Oliver esteve naufragado durante cinco anos.

Neste episódio, vemos todo o processo de ressurreição de Oliver Queen. No tribunal, a sua vida é oficialmente declarada, e entretanto Oliver tem frequentes flashbacks desses tempos, bem como a sua confirmação de que o seu pai teria morrido, não especificando o que realmente aconteceu.

Após isto, Oliver é convidado pela sua mãe, Noira e pelo seu padrasto a ser o novo líder da empresa da família. Quando ele ouve esta proposta, Oliver faz uma cena, onde começa a acusar a mãe de tomar as suas decisões por ele, e atacando Walter por ter substituído tão rapidamente o seu suposto melhor amigo, o pai de Oliver.

Diggle, o segurança, vai atrás de Oliver e aqui começam a criar laços. Diggle passou alguns anos no Afeganistão a lutar pelo seu país, então percebe o que é passar por momentos difíceis. No episódio piloto, fiquei com a ideia de que Oliver não iria suportar a presença de Diggle, que este se iria revelar um impedimento para ele conseguir cumprir as suas missões livremente, mas neste episódio, uma espécie de aliança foi feita entre ambos, e possivelmente Diggle ajudará Oliver no futuro, contando-lhe a verdade, eventualmente.

A história de Thea foi bastante bem desenvolvida neste episódio. Fiquei com receio no episódio passado que Thea se tornasse a parte fraca da série, a aborrescente que ninguém se interessava, que só fazia drama. Não poderia estar mais enganado. Thea conquistou-me e já é das minhas personagens favoritas. Acredito que não irão dar muito enfase às drogas daqui para a frente, tendo sido estas servido apenas para uma desculpa para Thea descarregar a sua raiva com Oliver, dizendo-lhe que ele não tem o direito de a julgar, e que ele já não é o mesmo de há cinco anos atrás.

Thea mostra a Oliver a sua sepultura, nos jardins traseiros da fantástica mansão dos Queen. Esta pergunta-lhe pelo que lhe aconteceu na ilha, e revela-lhe que ia para a sua sepultura pedir conselhos, com esperança que ele algum dia voltasse. Agora que voltou, ele não era o mesmo, estava mais distante, e a jovem não se sente tão unida a ele, pedindo-lhe para ele se abrir, para falar com ela.

Oliver irá precisar de alguém para desabafar. Falar de tudo o que ele passou desde à morte do seu pai até ao que ele viveu na ilha. Thea é a ouvinte mais indicada, eles têm uma relação forte, e com o tempo ainda se vão unir mais.

Laurel, tal como Arrow, tem um caso todas as semanas, e curiosamente, os casos de ambos estão relacionados. Esta semana, Laurel defendia Emily, filha de Viktor Nocenti, que foi morto por um traficante de droga chamado Martin Somers. Emily queria justiça pela morte do seu pai. Sabendo que Laurel estava a meter em terrenos perigosos, o seu pai, o detetive Lance, colocou Laurel e Emily sob proteção policial 24h por dia. Isto gerou uma discussão entre pai e filha, em que vemos um bocado da personalidade de Laurel. Uma mulher forte e determinada, que não precisa que a protejam e que faz de tudo em nome da justiça.

Mais tarde, Oliver vai ao apartamento de Laurel, pedindo desculpas por tudo o que ele fez Laurel passar. Não resistindo ao playboy, Laurel deixa Oliver entrar e têm uma agradável noite de conversa. Aqui o romance começa a ganhar forma, mas são interrompidos por barulhos estranhos que Oliver ouve. Há um tiroteio no apartamento, e os polícias que protegiam Laurel facilmente foram mortos. Oliver protegia Laurel, e então uma estranha mulher, que mais tarde descobrimos que se chama China White, apareceu no apartamento, atacando o casal. Diggles chega antes que o pior aconteça e a melhor cena de ação do episódio acontece: Diggles vs. China White.

A cena ficou muito bem feita, muito bom trabalho de câmaras e a coreografia da luta também estava muito boa.

Oliver vai atrás de quem fez aquilo. Nuns armazéns no porto da cidade, Arrow vai ao encontro de Somers, e faz com que ele confessasse tudo. China White aparece novamente para lutar contra Arrow e tentar salvar Somers, mas a polícia aparece e ambos tentam fugir.

Arrow é abordado pelo detetive Lance, e o herói entrega-lhe uma flecha que atirou contra Somers, que continha uma gravação que continha o necessário para que fosse feita justiça. Assim, Lance depositou um voto de confiança em Arrow e deixou-o fugir.

No dia seguinte, numa conferência de imprensa, Oliver aparece bêbedo, fazendo o papel de menino irresponsável, interrompendo o discurso a dizer que não irá ser o líder da empresa. Aos olhos do mundo, Oliver quer demonstrar que ainda é o jovem festeiro e que não mudou. Tudo isto para cobrir a sua nova identidade, mais fria e vingativa. Assim será mais fácil a desconfiança das pessoas em relação a ele, afinal ele é o mesmo de há cinco anos atrás.

Ao riscar o nome de Somers da lista, Oliver tem mais um flashback. Aqui é revelado que o seu pai lhe deu um caderno vazio, ou seja, foi Oliver quem escreveu todos aqueles nomes, provavelmente segundo o que o pai lhe contou. Mas há mais qualquer coisa, de certeza. Oliver não estava sozinho naquela ilha. Havia um arqueiro. Quem seria ele? O mentor de Arrow? Saberia ele alguma informação valiosa para completar o caderno?

No final, Noira encontra-se com alguém num carro, onde diz que Oliver não suspeita que o iate que naufragou foi sabotado naquela noite. O homem a quem Noira está a falar segura algo com um logotipo igual ao encontrado no caderno do pai de Oliver. Qual será a relação entre eles? Terá Noira alguma coisa a ver com a sabotagem?

Arrow realmente é uma boa série, já está entre as que eu espero ansioso todas as semanas, conquistou-me o coração. As minhas apostas estão na série, e penso que vai ter uma longa duração, considerando o canal onde ela está.

Da minha parte, é tudo. Foi um prazer fazer o review destes dois primeiros episódios da série, que agora ficarão por conta da Denise! XOXO

Audiências: O segundo episódio não teve tanta audiência como a sua estreia, mas manteve uns sólidos 1.3 de rating e 4 de share, sendo visto por 3.55 milhões, número acima da média da CW.

4 thoughts on “Arrow (1×02) – Honor Thy Father

  1. Novamente a série apresentou um bom episódio. Estou por gostar dos rumos que a série está por tomar, sem se perder em dramas adolescentes ou se afundar em lamechas amorosas.

    Esperando ansiosamente mais revelações sobre o que aconteceu a Oliver na ilha.

    Atts

    • Sim, o que louvo na série é o seu foco. Não se perde, como disseste, em dramas adolescentes ou romances. Tudo tem o seu tempo, mas não é dado muito destaque a essas tramas secundárias.
      E sim, também mal posso esperar para saber o que é que se passou naquela misteriosa ilha, agora que sabemos que ele não estava sozinho…
      XOXO

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s