Once Upon a Time (2×03) – Lady of the Lake


 The world’s dangerous. What’s left of it anyway.

O episódio dessa semana tornou a focar no casal Branca de Neve e Príncipe Encantado, e também a desenvolver mais um pouco da história da Emma e da Branca, que permanecem presas na Floresta Encantada em busca de uma forma para voltar para Storybrooke.

Lady of the Lake começou com um flash, onde a Chapeuzinho entrou em cena completamente assustada para dar a notícia ao Príncipe e a Branca de que o exército do rei estava causando desastre por aí e que agora contava com um elemento surpresa, que era conhecido como Leviatã. Dada a notícia, não demorou para que o exército marcasse presença e invadisse o lugar onde eles estavam acampando. Pensando que a melhor solução era se separar, Branca e o Príncipe partiram em direções opostas com a promessa de se encontrarem, dentro de dois dias, na Cabana onde a mãe do Encantado morava.

Fiquei feliz por não precisar assistir metade do episódio para descobrir a identidade do Leviatã. Logo nos primeiros minutos, pouco antes de capturar a Branca de Neve, o Leviatã revelou ser Lancelot, o famoso cavaleiro da Távola Redonda, que, após abandonar a causa dos cavaleiros, decidiu fazer o serviço sujo do Rei George e perder o resto da honra que lhe restava – ou pelo menos era isso o que eu achava.

Já no castelo do rei, me surpreendi ao saber que George não pretendia matar a Branca de Neve, muito pelo contrário. Após expor a sua quase triste história de vida para a princesa e contar que o grande amor da sua vida não podia lhe dar filhos porque havia sido amaldiçoada, o rei decidiu fazer o mesmo com o seu “filho” e envenenou a Branca de Neve para que ela também não pudesse engravidar e, dessa forma, não dar ao Príncipe a família que ele tanto desejava. Nem preciso dizer o quanto fiquei irritada nesse momento, né? O Rei George, para variar, decidiu agir feito um alienado vingativo e fazer besteira. Não bastava mandar o filho enfrentar um dragão (o que ele fez e se saiu bem) e obrigar ele a se casar com a Princesa Abigail (o que ele não fez e gerou a revolta do pai), o homem decidiu também amaldiçoar a Branca de Neve para que eles fossem infelizes para sempre. Acho que ele e a Regina deveriam dar as mãos e pular, porque, apesar de usarem métodos diferentes, é fato que os dois só querem uma coisa: acabar com a alegria do casal.

Enquanto me revoltava com o flashback, quase morri de fofura (fico bipolar vendo a série, relevem) com o Henry e a sua incrível mania de querer ajudar todo mundo o tempo inteiro, porque, de acordo com as suas próprias palavras, a maldição foi quebrada por causa dele e agora sua obrigação é fazer algo para ajudar a trazer a sua mãe e a sua avó de volta. Ri bastante com o nome da operação da vez: “Operação Escorpião”. Mas aparentemente David/Príncipe Encantado não achou muito animadora a ideia de aceitar a ajuda do neto e praticamente o expulsou para a escola, enquanto ia procurar outra forma de encontrar Branca/Mary Margaret e Emma.

Enquanto Henry era excluído da “Operação Escorpião” pelo avô e agia por conta própria, Emma e Branca estavam presas na Floresta Encantada, papeando de forma nada amigável com Cora. A bruxa praticamente jurava de pé junto que queria apenas ajudar as duas a escaparem dali, enquanto Branca enfatizava que ela não prestava e Emma insistia em dar uma chance para ouvir o que a mulher tinha a dizer.

Por falar em Emma, preciso dizer que fiquei meio irritada com ela nesse episódio. Não bastava ter passado por aquele período cético a respeito da maldição (o que foi totalmente compreensível), agora ela parece se esforçar muito para não aceitar a sua nova realidade e não acreditar que sua mãe a mandou para o Maine com a intenção de protegê-la. Me revoltei um pouco com a sua atitude de não ouvir nada do que a Branca de Neve dizia e agir por conta própria, como se conhecesse a floresta encantada melhor do que todo mundo e como se seus planos fossem realmente dar certo ali.

Enquanto mãe e filha trabalhavam no impasse de “falar ou não falar” com Cora, Henry fugia da escola e ia em busca de respostas. Jefferson parecia o único apto para lhe ajudar, embora ele tivesse deixado bem claro que não podia fazer nada com relação ao chapéu. Mas acabou que, em meio a uma conversa super madura onde o melhor conselho veio da criança de 10 anos, Henry foi quem acabou ajudando Jefferson e, em troca, o chapeleiro maluco disse que a única pessoa que poderia lhe ajudar era Regina e que ele deveria ir até o mausoléu atrás dos seus itens mágicos.

Regina dessa vez não teve o mínimo destaque, o que me deixou meio chateada. A Rainha Má, na minha humilde opinião, está muito parada e tranquila com relação ao que está acontecendo. Aceitar as coisas da forma que estão era a última coisa que eu esperava que ela fizesse, o que me faz acreditar que quando ela decidir agir ninguém vai conseguir pará-la. Ou pelo menos é por isso que eu torço. A rápida aparição da Regina foi apenas para ser enganada por Henry, que, espertinho como sempre, marcou um almoço com a mãe adotiva apenas para tirá-la do escritório e roubar o molho de chaves para entrar no mausoléu sem ser notado.

Enquanto Henry aprontava em Storybrooke, na Floresta Encantada, depois de uma rápida conversa com Lancelot, Emma, Branca, Mulan e Aurora, seguiam rumo ao Castelo em que Branca de Neve vivia antes da maldição ser lançada, em busca do armário mágico que enviou Emma para o Maine. No meio do caminho, acabei me irritando mais um pouco com a Aurora e com a Emma; a primeira por ser uma mimada que quer vingança da pessoa errada, e a segunda por achar que sabe mais do que todo mundo e se recusa a seguir os conselhos da própria mãe.

Eu tento ser imparcial ao falar da série, mas nunca consigo. Não dá para simplesmente não puxar a sardinha para meus personagens favoritos, então me perdoem se discordam, mas, para mim, os maiores destaques do episódio foram as cenas do flashback que envolveram a Branca de Neve, o Príncipe Encantado, o Lancelot e a mãe do Príncipe. Não consegui não me comover com a cena em que a Cabana foi atacada pelos cavaleiros do rei e a mãe do Príncipe foi ferida. Também não consegui não chorar quando ela, tentando se distrair, contou para a Branca a respeito de seu colar e de como ele era ótimo para adivinhar o sexo do bebê – coisa que, até aquele momento, Branca de Neve achava que nunca teria, já que tinha sido amaldiçoada. Mas o que me fez debulhar em lágrimas foi quando eles foram até o local onde costumava ficar o lago encantado, em busca de um pouco de água para curar a mãe do príncipe que já estava a beira da morte. Chorei feito criança quando ela pediu para que Branca tomasse a água em seu lugar, a fim de que pudesse ser curada da maldição. E chorei ainda mais quando a velha mulher disse que não viveria o suficiente para ver o casamento do seu filho e Branca, comovida, pediu para que Lancelot realizasse o casamento dos dois. Simplesmente chorei, chorei e chorei, essa é a única coisa que tenho a dizer. Sou uma manteiga derretida, eu sei!

Ainda me debulhando em lágrimas, continuei assistindo o episódio, apenas para dar uma risada quando Henry invadiu o mausoléu onde Regina guardava seus pertences mágicos e decidiu abrir a caixa onde estavam as cobras. “Deveríamos ter escolhido o nome de Operação Víbora”, David/Príncipe Encantado disse, assim que salvou o neto de sofrer um ataque das serpentes.

Emma: I’m sorry I torched our ride home. I couldn’t let her get to Henry. I just —

Snow: You had to put Henry first.

Emma: I was angry at you for so long. Wondering how you could choose to let me grow up without you. After seeing all this, you gave up everything for me, and you’re still doing that. I’m sorry, I’m not good at this. I guess I just — I’m not used to someone putting me first.

Snow: Well, get used to it.

Depois disso, eu, que já estava emotiva, acabei me rendendo e chorando com Emma e Branca no castelo, quando elas descobriram que Lancelot, na verdade, era Cora disfarçada, e que o verdadeiro Lancelot havia morrido há algum tempo. Mas não foi a descoberta que me fez chorar, é claro. Foi o fato de Emma finalmente reconhecer que o que os pais fizeram foi para o próprio bem dela. Que eles pensaram nela e a colocaram em primeiro lugar, coisa que não estava acostumada. O abraço da Branca e da Emma foi lindo e eu não consegui segurar as lágrimas mais uma vez.

Não posso me esquecer de comentar também o reencontro do Jefferson com a sua filha. Foi tão fofo vê-la correr na direção do pai e abraçá-lo. Foi tão fofo, que fiquei feito uma tonta olhando para a tela do notebook e sorrindo com tal cena.

E, para encerrar, também não posso deixar de lado a cena em que Cora pega um pouco do pó que restou do armário que mandou Emma para o Maine. Algo me diz que a bruxa irá conseguir criar um portal para Storybrooke ou atrair todos da cidade para a Floresta Encantada, e teremos um grande impasse entre mãe e filha. Talvez as duas decidam medir as forças, enquanto Rumplestilstkin (eita nome difícil, senhor!) fica assistindo e avaliando qual das duas aprendeu melhor com ele.

Acho que a série esta prestes a dar uma reviravolta, especialmente por causa da última cena, com o Rei George observando o Henry e o David/Príncipe brincando com as espadas. Não sei, mas algo me diz que ele vai acabar seguindo com seu plano de vingança e vai querer meter o Henry na história, coisa que vai me tirar do sério, porque amo aquele garotinho! (na verdade, eu chamo o Henry de “meu filho”, mas ignorem HUAHAU). Mas como sou péssima em chutes, vou esperar para ver o que acontece. Talvez George não faça nada e eu acabe quebrando a cara de novo HAUAHUAHAUHAH

Enfim, é isso! A review ficou gigantesca, mesmo eu tendo resumido antes de postar HAUAHAUH

Até a próxima, meus lindos!❤

6 thoughts on “Once Upon a Time (2×03) – Lady of the Lake

    • A relação da Emma e da Snow me emociona, sério! A cena final, delas duas se abraçando, me fez chorar muito HAUHA sou manteiga derretida

  1. Esta temporada está por prometer ser ainda melhor do que a anterior. As tramas estão conectadas de uma forma interessantes, estão promissoras e nos deixando cada vez mais ansiosos pelos próximos episódios.

    Atts

    • Sim, agora eu tô LOUCA pra ver o Capitão Gancho entrar em cena. Também tô curiosa pra ver o que a mãe da Regina vai aprontar. Se ela conseguir uma forma de ir pra Storybrooke, sinto que as coisas vão esquentar e a Regina vai se rebelar.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s