Chicago Fire (1×01) – Pilot


Bombeiros: fantasia sexual de milhões de menininhas, mulheres e até mesmo de alguns menininhos.

Jesse Spencer e Taylor Kinney: desejo de consumo de milhares de menininhas, mulheres e até mesmo menininhos que assistiram House ou The Vampire Diaries, ou as duas séries.

Bombeiros + Jesse Spencer e Taylor Kinney: delírio geral da galera!!!

Bom, nem tudo que é visivelmente bonito é realmente bom. Por exemplo, nem toda cantora branca, loira e belíssima consegue ser uma Christina Aguilera da vida. Sendo assim é justo dizer que Chicago Fire possui uma roupagem bonita, porém fica por dever um bocadinho em relação ao seu conteúdo. A série possui a receita, como visto no inicio da review, perfeita para conseguir fazer um pequeno, ou grande, sucesso, porém os mais céticos, e mais críticos, encontrarão vários defeitos que apenas denigrem a imagem da mesma.

O grande problema é que Chicago Fire é uma série muito comum, sem nada de especial que atrai sua atenção e o faça ansiar por mais. Um elenco atraente não é o suficiente para conquistar os mais críticos, talvez funcione com aqueles que anseiam por beleza e sensualidade, mas para quem deseja uma boa história, Chicago Fire é uma pequena decepção, mas com potencial para ser mais inteligente e criativa.

A trama da série tem-se inicio com a morte de um bombeiro durante um incêndio. O que temos a seguir com a trama é o dia-a-dia do batalhão de bombeiros da cidade de Chicago, focando na rivalidade e no sentimento de culpa de dois personagens: Casey (Jesse Spencer) e Severide (Taylor Kinney). Fora interessante a maneira com que a rivalidade fora demonstrada, mas, como não sou adepto aos termos técnicos, fiquei um pouco desorientado sobre a razão pela qual há esta pequena rivalidade e o roteiro não nos deu a chance de compreender um pouquinho melhor.

Porém esta rivalidade não é algo que sempre existiu, esta nasceu juntamente quando Darden morreu no inicio do episódio. E esta fora a parte que achei interessante do roteiro, Casey culpa Severide pela morte de Darden e vice-versa, porém esta atribuição de culpa é apenas uma desculpa para não atribuir a culpa para si mesmo. É interessante ver, já que a série se passa um mês após o evento, como a morte de Darden afetou todo um batalhão, mas especialmente ver como esta afetou Casey e Severide.

Cada um dos membros do batalhão de Chicago possui sua própria trama e fora aí que encontrei o principal ponto fraco da série: a falta de originalidade. São tramas comuns, clichês, que não conseguem atrair um interesse espontâneo. Junta-se isso a falta de carisma de boa parte dos personagens secundários e encontramos muitos momentos entediantes cuja função passa-se despercebida. Mas confesso que as tramas envolvendo Casey e Severide convencem, ao menos deu-me um motivo para assistir o próximo episódio. E não, não é o motivo que possam estar pensando.

A grande maioria dos personagens da série são homens, há apenas duas mulheres a ter um destaque e a fazer parte do batalhão de Chicago. O interessante é, que no meio de tantos homens, como posso dizer sem me crucificar, simpáticos, uma delas ainda possui a audácia de ser gay. Ri muito neste momento. Ou seja, para a nossa infelicidade, a personagem de Lauren German (Hawaii Five-0), Leslie Shay, é lésbica, tornado Gabriela a única mulher, mulher mesmo, a ter certo destaque neste episódio.

Gostei da maneira com que as cenas de ação foram dirigidas. Realmente me senti sufocado e senti a tensão que grandes incêndios podem trazer, mesmo não me importando com a maioria dos personagens.

Enfim, um piloto não tão satisfatório, mas também não é tão ruim como a grande maioria das criticas americanos fizeram soar. Há potencial, há muita coisa que podem ser aproveitada além dos corpos sarados dos protagonistas, só resta saber se a série saberá conciliar um produto bonito com um produto de qualidade. Tenho as minhas esperanças de que esta conciliação aconteça, mas conhecendo os roteiristas americanos e o telespectador americano, tenho a certeza de que os corpos sarados irão prevalecer. Bom, de qualquer forma, preciso assistir o próximo episódio para tomar conclusões mais sábias.

 

Audiência: A série ainda não estreou oficialmente, sendo este um piloto Pre-Air liberado pela própria NBC. A estréia da série acontecerá nesta quarta feira, 10 de outubro, e assim que liberados os números da audiência estaremos por atualizar.

6 thoughts on “Chicago Fire (1×01) – Pilot

  1. “Bombeiros: fantasia sexual de milhões de menininhas, mulheres e até mesmo de alguns menininhos”.
    “Bombeiros + Jesse Spencer e Taylor Kinney: delírio geral da galera!!!”

    Morri de rir HASHUAHSASHHUSAUHSHUAS
    Acertou em cheio hehe😛

    Estou com o piloto baixado, vou ver se dou uma chance a ela, só por ser uma série que é diferente de qualquer uma que vejo, e seria legal ver algo desse tipo, mas não me animei com essa nota =/
    Vamos ver oq vou achar hehe

    • Hahahaha… Eu e minhas tentativas de ser engraçado… rs

      Bom, vale sim a pena dar uma chance, mas é como o nosso amigo comentou abaixo: ” não foi mal, mas espera um bocado melhor!”

      Mas vê sim, depois passa aqui e me diga o que achaste…

      Atts

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s