So You Think You Can Dance (9×12) – Top 8 Performs & Final 6 Reveals


A duas semanas da grande final, os oito competidores restantes enfrentam mais uma batalha e já arrisco a dizer que tivemos uma das melhores performances neste programa, alias com uma ou outra exceção, todos conseguiram entregar com técnica e emoção cada um dos gêneros escolhidos para esta noite.

Jesse Tyler Ferguson deveria ser jurado fixo ou pelo menos participar mais vezes, pois sua sensitividade e comentários a respeito de cada uma das rotinas é simplesmente sensacional, pois este não só traz o lado cômico ao painel – como tentaram sem sucesso fazer com Ellen DeGeneres – mas também traz certo conteúdo e paixão com suas observações.

Tirando a finalidade de introduzir um novo coreografo este ano, não consegui incorporar o conceito criado por Peter Chu, mesmo sendo esta uma peça contemporânea.

Intercalando a cada performance em dupla junto aos All Stars, os oito competidores apresentaram seu solo, estes que mostram mais uma vez quão únicos e especiais eles são.

Rotina #1: Witney & Twitch (Season 3)
Gênero: Hip-hop
Música: “My Homies Still”—Lil Wayne feat. Big Sean 
Coreógrafo: Luther Brown (SYTYCD Canadá)

Review: “Clap Your Hand And Say Yeah”.  Essa é a perfeita definição para a original e diferente rotina de hip-hop preparada por Luther Brown, conhecido da filial SYTYCD Canadá. Twitch é o All-Star escolhido, porém é Witney que rouba a cena esbanjando sensualidade, musicalidade e conexão com seu excelente parceiro nesta que foi alias uma das mais criativas que já vi. Impossivel não contigiar-se, levando os jurados a baterem palmas freneticamente conforme o passo. E já sei que vou pedir pro Papai Noel aquela calça linda que ela estava usando, o que só provou mais ainda quão capaz es, porque dançar num traje daquele não traz muita mobilidade.  Bring it On guuuuuurl!!!!

Nota: A+

Rotina #2: Cole & Allison (Season 2)
Gênero: Contemporâneo
Música: Possibly Maybe” (Instrumental)—Björk
Coreógrafo: Sonya Tayeh

Review: HollyMolllyOfGod por onde começar? Semana passada falei que a parceria George e Allison somado a fraca coreografia de Tyce Diorio não causaram grande impacto, principalmente porque sabemos quão grandioso é o talento de Allison e quanto um competidor pode usufruir disto sabendo trabalhar com ela. Esta semana tudo contribuiu, colocando esta rotina acima de qualquer outra até então. Sonya Tayeh construiu uma pintura sádica, desesperadora e impactante junto a uma aula de interpretação que deixaria Alfred Hitchcock orgulhoso e por fim, escolhe a música perfeita, honrando a singularidade do trabalho da querida excêntrica Björk. A coreografa acertou ao dizer que Cole é o dançarino compatível a Allison e isto ficou claro durante toda  a rotina, mesmo que de um jeito doentio e assustador que foi retratado o  relacionamento destas personagens, é com um “Possible Yes” que já consigo visualizá-lo na finale.

Nota: A++

Rotina #3: Eliana & Ryan (Season 7)
Gênero: Quickstep
Música: “That Man”—Caro Emerald
Coreógrafo: Jonathan Roberts

Review: Quickstep sempre foi e sempre será classificado como “Dance of Death”, tudo isto porque os competidores não conseguem executá-la com precisão ou porque a coreografia não favorece ou o estilo em si é algo difícil, obviamente. Pela primeira vez consegui sorrir e vibrar durante toda performance, muito disto porque o novo coreografo parece ter inovado um gênero tão “mesmo do mesmo” ao meu ver. Eliana contou com a parceria de Ryan e juntos entregaram um Quickstep de dar inveja a qualquer outro da história do programa. Dinâmico, divertido, teatral e cheio de excelentes rotações e elevações, fica mais do que evidente que Eliana é a competidora que sucede em qualquer desafio a ela proposto.

Nota: A+

Rotina #4: Lindsay & Alex (Season 7)
Gênero: Jazz
Música: “Somebody That I Used to Know”—Gotye feat. Kimbra
Coreógrafo: Sonya Tayeh

Review: A Fox realmente não sabe utilizar a canção de Gotye em suas produções, pois se já não bastasse Glee, agora esta rotina de jazz deixou também a desejar, mesmo sendo uma criação de Sonya. Problema maior que a própria musica grudenta que toca mil vezes na rádio, foi à falta de química entre Lindsay e Alex, este que se mostrou exuberante ao lado de Eliana na semana anterior. A competidora de Ballroom teve grandes momentos durante as ultimas semanas, porém foram nesta rotina que ficara mais evidente suas dificuldades, principalmente nas transições e conexões com seu parceiro.

Nota: C-

Rotina #5: Will & Lauren (Season 3)
Gênero: Hip-hop
Música: “Dance My Pain Away” (District 78 remix)—Wye Oak
Coreógrafo: Christopher Scott

Review: Chris Scott voltou a honrar sua criatividade e musicalidade sem limites e foi de Will que o coreografo conseguiu extrair o lirismo presente em certas rotinas de hip-hop, principalmente quando se tem como parceira Lauren, esta que se destacou mais neste gênero do que no seu próprio, o Jazz. Focado em mostrar-se mais sério e comprometido, o dançarino mais apaixonante da Season 9 conecta-se com o gênero, com a dupla e com o próprio sofá, este que serve como trampolim em toda a rotina, que segue milimetricamente o compasso do excelente conceito criado.

Nota: A-

Rotina #6: Cyrus & Melanie (Season 8)
Gênero: Jazz
Música: “Badder Badder Schwing”—Freddy Fresh feat. Fatboy Slim
Coreógrafo: Mandy Moore

Review: Pode até soar como bullying ao querido deste ano, mas realmente é praticamente impossível criticar Cyrus quando este faz dupla com a excepcional Melanie, vencedora da ultima edição. Se os jurados contemporizam suas rotinas semana a semana, não consigo fazer o mesmo, alias esta foi mais uma que favoreceu suas dificuldades, não o desafiando como competidor. Melanie atrai todos os holofotes e mesmo com Cyrus a mostrar sua força ao conduzi-la, não consigo me impressionar com seu “crescimento”. Vale recordar de Russel, que é Krumper e Joshua e Twitch que são Freestyle, ambos especialistas em seus gêneros, porém sem treinamento técnico para todo o resto, habilidade que foram adquirindo com dedicação. Cyrus é caristmatico e dedicado admito, mas nunca conseguirei compreender estes tipos de competidores, porém como qualquer reality show, é a respeito do favorito e nem sempre este é o melhor.

Nota: C+

Rotina #7: Chehon & Anya (Season 3)
Gênero: Argentine Tango
Música: “Breaking Below Surface”—Jesse Cook
Coreógrafo: Miriam Larici & Leonardo Barrionuevo

Review: Quebrando a superfície. O nome da canção não poderia calhar mais perfeitamente para esta, que fora em minha opinião, o melhor tango argentino apresentado no programa. E quem está por trás dele? Chehon. O bailarino saiu de sua zona tensa e por vezes confortável, desafiando-se, resultado que provou semana a semana que aquele que estiveram embaixo, pode se reerguer belissimamente. Ao lado de Anya, cavalga com a precisão e paixão exigida ao gênero, principalmente a considerar a responsabilidade de dançar com alguém como a “Ms. Hotmale Train”. Garantindo seu ticket no train de Mary Murphy, Chehon emociona a todos com esta fluida, romântica e arrepiante história de amor, afinal com o tango, o a dois vira um.

Nota: A++

Rotina #8: Tiffany & Ade (Season 5)
Gênero: Contemporary
Música: The Power of Love”—Celine Dion
Coreógrafo: Mandy Moore

Review: Se Mandy Moore não me agradou com sua peça de Jazz para Cyrus, aqui vemos que quando querem desafiar alguém, HELL YEAH os coreógrafos conseguem, ainda mais se for alguém chamado Tiffany, a competidora que ninguém viu chegar no Top 20, mas que é, sem sombra de dúvida a mais consistente e versátil dentre todos os competidores, digo até mesmo contra os homens e já me arrisco dizer que ela leva o premio este ano, valendo que uma mulher e um homem sairão vencedores. Mandy escolhe Celine Dion pra embriagar a todos num mar de amor e ainda com a beldade de Ade como parceiro da pequena grande Tiffany, esta quase perfeita semana é fechada com sete chaves de ouro, pra dar sorte a esta querida, que dentre todos, junto com Eliana, combina técnica e personalidade com maestria.

Nota: A++

E agora o momento mais esperado……

Essa foi a eliminação mais difícil, até porque tinha pego alguns sinais pelo twitter e acreditei que um de meus favoritos tinha sido eliminado, porém tudo não passou de um mal intendido. Tiffany e Cyrus são sem dúvida os favoritos do publico, tanto que nunca ficaram no Bottom até agora, o que se chegarem a final, o que acredito que acontecerá, estarão invictos. Eliana conseguiu conquistar cada vez mais o publico, principalmente depois que se separou de Cyrus e seu lugar no Top 6 também fica garantido a meu ver. Já a grande surpresa foi ver o nome de Chehon como o quarto classificado, não pelo fato de não achar que merece – ele é junto com Cole meu favorito – mas porque interpretei errado um tweet seu relacionado com sua mãe e entendi que ele havia sido eliminado. Então imaginei quanto gritei e pulei quando o vi são e salvo para a próxima semana.

Diferente da primeira vez que ficaram lado a lado na escolha do Top 20, Witney e Lindsay, amigas de infância e rivais em competições de dança, enfrentam a triste realidade, só que desta vez, uma terá que dizer adeus a competição. Mesmo com a evolução visível de ambas nos diferentes estilos propostos, Lindsay sempre fora apontada como alguém que precisava de constantes melhoras, não desmerecendo logicamente seu talento e presença de palco. Sua amiga Witney sempre saiu em disparado, recebendo constantes elogios dos jurados, apesar de também ter ficado algumas vezes no Bottom 3, fica evidente que Lindsay seria a eliminada da vez.

Já entre os rapazes, a escolha era impar demais: de um lado tínhamos a adorabilidade de Will e do outro a intensidade de Cole, dois distintos e talentosos dançarinos. Cole pela primeira vez fica no Bottom, este que vinha trilhando uma impecável jornada nesta temporada, porém a semana anterior foi de fato sua pior, justificando então sua colocação. Will sempre fora criticado, mesmo que de maneira leve, por sua falta de seriedade, dado que é um dos competidores mais carismáticos e brinchalhões da história do programa. Sua evolução como dançarino foi percebida, não tanto como seu jeito patetão, mas ao vermos sua mãe falar um pouco sobre sua vida, entendemos porque ele é assim tão cheio de vida. Quando era mais novinho, revelou que a dança salvou sua vida perante todo o bullying que sofria, porém disputando encarando a realidade atual ao disputar uma vaga com Cole, desta vez os jurados não puderam salvá-lo.

Agora o ranking da noite:

Melhor dupla: Cole & Allison

Pior dupla: Cyrus & Melanie

Melhor performance masculina: Cole

Pior performance masculina: Cyrus

Melhor performance feminina: Tiffany

Pior performance feminina: Lindsay

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s