Pilot Review: Copper (1×01) – Surviving Death


Confesso que assisti ao piloto de Copper sem ter a mínima noção do que esperar da série, mas a verdade é que ao fim de 45 minutos a série conseguiu conquistar-me e o que inicialmente iria ser uma exceção passará a regra pois pretendo dar uma oportunidade à série. O review do piloto chega um pouco atrasado, mas ainda vem a tempo de despertar a atenção para quem ainda não conhece a série. A série centra-se na vida de Kevin Corcoran, um exímio detetive na conturbada cidade de Nova Iorque, mais precisamente no bairro Five Points. Na luta contra a corrupção e os crimes, Corcoran conta com a ajuda de Francis Maguire, Andrew O’Brien e o doutor Mathew Freeman. Desde cedo percebemos que Corcoran tem um passado conturbado e a busca pela verdade sobre a sua família será uma constante, aqui poderá considerar-se uma storyline já demasiado retratada e a forma como a abordarem irá decidir se a história será cansativa ou uma mais-valia para a série.

O cenário escolhido, Nova Iorque em 1864, é propício a temas como o racismo, prostituição infantil, corrupção e a série já começou a tirar partido disso. O arco do episódio envolve a prostituição infantil, enquanto aguardava para apanhar em flagrante delito um bando de assaltantes, Corcoran conhece Annie. Inicialmente podia pensar-se que a oferta de Annie seria apenas um lamiré no mundo profundo e obscuro da prostituição, mas Annie revela-se mais importante para a série do que à partida poderia supor. Após um assassinato de uma criança, Corcoran é chamado e o seu desespero é evidente, pensado tratar-se de Annie rapidamente assume a luta pela verdade. Para isso recorre a Mathew, que apesar dos opressões e medo evidente da mulher, confia em Corcoran e acaba por ajuda-lo. A verdade acaba por vir ao de cima, contudo a justiça acaba por esbarrar em poderes sociais instituídos e demasiado enraizados para serem ignorados e vencidos à primeira debandada.

Uma personagem que se revela importante é Elizabeth, desde primeiro encontro com Corcoran fica evidente que este desperta a sua atenção. E isso fica mais evidente no fim do episódio quando esta vem esclarecer a verdade e pedir justiça, ela que se demonstra desde cedo revolucionária e dona das suas opiniões demasiado vincadas no mundo onde a mulher ainda é vista como o elemento mais fraco. Mas foi só impressão minha ou havia ali alguma intimidade entre os dois? E isso promete aquecer a série pois Molly também se mostra bastante interessada e empenhada nessa tarefa. E nisso a série foi inteligente, numa simples conversa foi introduzindo pistas que mais tarde teriam a sua conclusão, construindo a narrativa de forma fluida mas sem entregar demasiado o ponto. O assassinato de Kate é apenas uma agulha num palheiro repleto de corrupção, seres intocáveis, prostituição, injustiça, romance, traição e mistério. Copper conseguiu um bom piloto, inteligente no ambiente escolhido, apresentou uma narrativa fluente, personagens interessantes, e apesar de poder ser considerado um procedural promete construir um arco principal na luta contra a corrupção e a injustiça que impera.

Aspetos positivos:

– O local e ano escolhidos, Nova Iorque 1864.

– As músicas escolhidas, adorei a banda sonora do episódio em cada momento importante esteve à altura.

– A criação desde já de um arco principal

– A introdução gradual das personagens consoante iam sendo relevantes para a história.

Aspetos negativos:

– Alguns clichés e previsibilidade em algumas partes.

Trailer:

A Casa não continuará com reviews da série, sendo este um caso excepcional por se tratar do piloto.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s