Pretty Little Liars (3×05) – That Girl is Poison


O mundo de Jenna e Garrett colide mais uma vez e eu acredito que não é mera coincidência. No mesmo dia, ele sai da cadeia e ela se apresenta ao mundo com a visão recuperada. Tudo pareceu muito bem orquestrado e, no final das contas, ficamos com as mãos vazias, sem nenhuma novidade consistente. Não achei esse episódio tão recheado quanto os anteriores e acredito que, a essa altura do campeonato, entraremos no período de breque de informações e de conteúdo que Pretty Little Liarssempre nos dá com muito desprazer. Bem, isso é uma suposição e ficaria grata se isso não acontecesse, pois a trama está super bem e as histórias condizem uma com a outra.

Vamos começar a falar da garota que implorou para as liars que queria continuar a fingir ser cega, pois era a única forma de se manter protegida. Jenna subiu no salto e, pelo visto, vai mostrar ao mundo do que realmente é capaz. Digamos que ela é relativamente má, mas não tanto quanto Ali, pois ainda acredito em algum vestígio de humanidade da personagem. A meia-irmã de Toby deve ter uma contribuição importante para o que aconteceu com a inimiga, acho correto pensar assim, mas os motivos dela ainda não são muito claros na minha mente. A jovem quer as liars por perto, mas presume-se que ela não dará o bote de maneira tão óbvia. Quem sabe, Jenna apenas quer fazer parte do grupo, ou melhor, comer pelas beiradas. Vamos lembrar que ela estava no vídeo do quarto da Ali por razões que precisam, por obséquio, serem reveladas logo.

Enquanto Jenna aproveita sua festa de aniversário, Garrett se depara com mais um obstáculo. Se não bastasse ser preso por causa das acusações que ainda não sabemos se ele é realmente culpado, a mãe dele entra em coma. Spencer foi bem malvada ao pensar que A queria tirar a senhora do caminho. A internação dela pode ter sido um chute de sorte para mantê-lo por breves horas fora da prisão para resolver às pendências. Garrett quer provar que é inocente, o que nos deixa a dúvida com relação ao verdadeiro caráter que ele possui. A onda de revolta ao redor do personagem foi bem justa, mas fiquei com dó (podem me bater, eu deixo!). Ele é um exemplo de pessoa que sofreu uma queda brusca na trama. Se foi realmente ele que guiou os planos malignos de A, o vilão/vilã anda bem cruel com o ex-policial que, de brinde, ganhou Wilden firme e forte na sua cola.

Aria me surpreendeu nesse episódio. Ela realmente agarrou a trama e a carregou nos ombros, algo que sempre foi bem típico de Spencer. Simplesmente gostei da abordagem que deram a personagem, mostrando o quanto ela é talentosa e que pode intervir quando o assunto é A. O relacionamento entre Ezra e ela está na medida certa, sem drama. Desde o retorno da série, aprovo o “novo modelo” de namoro que deram à Ezria, algo calmo, sem esconde-esconde e sem me irritar como faziam na temporada anterior. Eles estão bem dentro dessa vibe amorosa. Afinal, ambos não precisam tropeçar em quinhentas pessoas para serem felizes. A liar mostrou uma audácia que jamais pensei que existiria dentro dela. E, o melhor, agiu sozinha. Temi por ela quando ficou frente a frente com o surtado do Lucas, mas o amado apareceu no timing certo para salvá-la.

Por falar em Lucas, as coisas andam de mal a pior para ele. Queria muito uma dica sobre o que ele tanto esconde e espero que estejam nos negativos que Aria sorrateiramente passou a mão. Não dá para prolongar esse mistério por mais tempo. Contudo, acredito que as fotos não serão reveladas tão cedo, pois um ponto muito importante foi levantado e que acarretou mais pulgas atrás da orelha. Jenna pode ter contado ao quarteto que carregou uma Emily dopada por Rosewood, mas até que parte do caminho? Descobre-se que o cantil que a liar colocava bebida estava batizado com milizopam, remédio para dormir que, misturado com bebida, causa apagão na memória. Paige retornou à série para ser cobaia da medicação. Honestamente, não precisava de toda aquela cena de ciúmes para chegar à conclusão que Emily foi “envenenada”. A jovem sabe da orientação sexual do seu interesse amoroso e achei exagerada a maneira como ela foi para o lado negro do álcool no meio da festa de Jenna por achar que ela sentia algo por Nate.

Se não bastasse o cantil, Hanna consegue recuperar a jaqueta que Emily usou na “noite que não aconteceu”. Isso trouxe mais pontos de interrogações sobre o ocorrido. Já aceito aos poucos a realidade que saberemos o que aconteceu de verdade perto da season finale e o hiatus do final do ano nos fará arrancar os cabelos. No ritmo que PLL se encontra, está bem tenso tentar adivinhar quem é a nova/novo A e seus comparsas mais uma vez. Só para concluir o parágrafo e resgatar Hanna, achei bem digna a depressão dela causada por Caleb. Quero que ele continue a evitá-la, mas por outro lado, quero que eles voltem, pois a loira tem a tendência de ser muito chata quando está triste. Além de adorar ser mala com as amigas.

Toby voltou para minha felicidade e teve uma conversa franca com Spencer. Conhecemos mais o lado manipulador de Jenna com relação a sua falsa cegueira. Não sei o que pensar da personagem, pois ela realmente tem o dom de confundir. A garota denunciou Garrett para que nós víssemos o suposto lado bom dela. Ao sair das sombras, a jovem incitou o sentimento de desconfiança sobre seu caráter. Acho o trabalho que fazem em cima de Jenna muito eficaz, pois poucos personagens conseguem ter dois lados que geram bons momentos de indagações. Eu ainda confio nos resquícios de bondade dela, podem me esganar. Mas, algo me diz que, embora ela nos confunda com suas decisões, ela quer saber quem é A tanto quanto as liars. Afinal, alguém quase a queimou de novo.

Concluo a review com muitas perguntas sem respostas. Eu quero que o mistério de Lucas seja dissolvido logo, pois pelo que aparenta, ele está poupando alguém. Se ele quer proteger as liars ou o A-Team, é uma lacuna, mas o rapaz está bem apreensivo. Mona não deu o ar da graça e imagino que estejam preparando algo muito bom (ou não) para ela. Depois de Garrett e Jenna, não me espantarei ao ver a ex-amiga de Hanna fora do hospício. Sobre os remédios que capotaram Emily e Paige, eles pertenciam à Maya? Fiquei bem confusa nessa parte. E, mais uma vez, a bomba cai na mão de Spencer. Quem é April Rose? Uma pessoa? Uma rua? Um livro? Se tratando de Pretty Little Liars, pode ser até o vizinho.

Artigo escrito por: Stefs Lima

2 thoughts on “Pretty Little Liars (3×05) – That Girl is Poison

  1. Achei meio precipitado o fato de Jenna já revelar sobre a sua visão, achei que este elemento seria utilizado mais tarde na temporada ou como um triunfo das liars…

    Mas gostei do episódio, não tão bom quanto os antecessores, mas ainda fundamental para compor esta incrivel teia de mentiras e conspirações que PLL está se tornando.

    Atts

    • Eu tbm achei mto estranho Jenna sair do perfil de cega para conquistar o mundo. PLL tá colocando mto suspense e não vai dar conta, que nem a temporada anterior. Espero, de verdade, que isso não aconteça.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s