American Horror Story – 1ª Temporada (2011)


Em um ano de grandes estréias, como Game of Thrones e Homeland, seria muito difícil qualquer outra série estréia conseguir ganhar algum destaque. Sim, seria muito difícil, mas não impossível.  American Horror Story é um projeto ambicioso, tinha todos os elementos possíveis para se tornar um desastre televisivo, mas também era detentor de todos os elementos possíveis para tornar esta um clássico do horror moderno.

 American Horror Story não é uma série original. Porém a forma com que esta misturou lendas urbanas, consagrados clássicos do horror, histórias infantis e cruéis assassinatos reais para compor a sua história a tornou uma série única, com um roteiro complexo, intrigante, cheio de suspense e de sustos. O roteiro se mostrou inicialmente confuso, perdido, porém conforme a história ia se revelando, segredos estavam por ser descobertos, a série alcançou o ápice e denunciou que toda a trama da temporada estava preparada desde o primeiro instante. Sendo assim, após finalizar os doze episódios que compõe esta temporada, não ficamos mais perdidos ou confusos, passamos a entender tudo o que estava por acontecer. Nem todos os pequenos detalhes foram explicados, mas também havia a necessidade de deixar alguns acontecimentos pairando no ar, deixar-nos questionando e criando nossas próprias respostas.

 A propicia atmosfera criada pela série, a forma com que esta usou e abusou dos atributos de seus personagens para contar a história fora excelente. A forma com que a série desenvolveu os personagens também fora agradável, principalmente a forma com que esta desenvolveu os seus coadjuvantes. O brilho da série pode até ter sido ofuscado por outras estréias que se tornaram rapidamente mais popular, mas, assim como Shameless, AHS é uma das grandes séries que estreou no ano passado e sua qualidade pouco pode ser discutida.

 O que mais destacou em American Horror Story fora a coragem do roteiro em nos apresentar terríveis acontecimentos, sem pudor e nem cortesia nas cenas mais brutas que o roteiro exigia. A série ousou ainda mais em seus episódios finais, quando esta nos revelou que estava por ser uma temporada única contando esta história, que nas próximas temporadas teríamos novos personagens, novas tramas, novos mistérios e novos sustos. Ou seja, a história de família Harmon havia de ser concluída nesta temporada e fora, de uma maneira incrivelmente emocionante e brilhante.

 Todos os personagens da série estavam em busca de algo. Algo que completassem o vazio que estava por ecoar em suas vidas. Ao mudar para a Murder House, Ben, o marido que cometeu o ato da infidelidade, busca redenção para os erros que cometeu. Vivien busca superação, busca uma maneira de encontrar forças para superar a traição do marido, superar o aborto que sofrera. Violet, a jóia rara da família Harmon, busca, rebeldemente, um final feliz, ou podemos até dizer que esta busca a compreensão da vida. Ambos os personagens possuem os seus momentos, os episódios em que estes cometem ainda mais erros para alcançar seus objetivos, episódios onde suas personalidades ganham evidência e ganham força, para Ben tivemos Murder House, para Vivien o excelente Birth e Violet, literalmente, nos abandou com o chocante e revelador Smoldering Children.

 Após conhecer as suas histórias, compartilhar seus desejos e medos, não fora fácil se despedir dos Harmon. Sim, fora incrível ver como no final estes finalmente encontraram o que buscavam quando se mudaram para a Murder House, porém fora de uma forma irônica que os objetivos foram alcançados. Todos morreram. Sim, isto seria um final triste em qualquer outra série, mas não em American Horror Story, em AHS a morte não significa o fim, apenas justifica os meios. Fora preciso todos traçarem os seus caminhos, perderem a vida, para que a felicidade novamente chegasse a família Harmon. Sim, deixou-nos com um gosto agridoce, porém ao visualizar toda a família unida ao final do último episódio da série fez-nos entender a morte era a única escolha, a única maneira de este final acontecer. Sendo assim, tivemos o final da primeira temporada de American Horror Story, tivemos o final dos Harmon e da Murder House a ser contado de uma forma linda, bizarra, sexy, envolvente, misteriosa e emocionante.

 Os Harmon eram os principais personagens da série, mas certamente estes não eram os melhores que a série possuía. Tate e Constance são exemplos reais de como coadjuvantes podem roubar a cena e se tornarem os principais personagens da série apenas pelo fato de serem interessantes. Tate possui aquele tom misterioso, um ar de psicopata e um afeto enorme por Violet. O personagem cresceu de acordo com a temporada, desenvolvendo uma interessante trama e desenvolvendo sua bizarra personalidade, tornando este, sem dúvida, o melhor personagem masculino da temporada.

 E Constance fora a alma penada da série. Uma atuação espetacular de Jessica Lange transformou esta ótima personagem em um elemento essencial para o desenvolvimento da trama e dos demais personagens. Constance era fria, calculista e até mesmo egoísta, visava sempre alcançar seus objetivos, não se importando com o que está à sua frente, impedindo o seu caminho. O final que a temporada encontrou para a personagem fora fantástico, com esta a criar o Anti-Cristo e ainda fazer tal com certa satisfação. Muitos queriam que a segunda temporada nos mostrasse a adolescência do perturbado neto de Constance, mas infelizmente esta não fora a idéia que Ryan Murphy e Cia. tiveram.

 Durante a temporada a série nos apresentou diversos outros personagens, como a empregada Moira, que ficava por alternar entre a beleza da sua juventude e a velhice, tínhamos também Harvey, o ex-morador da Murder House que é completamente apaixonado por Constance, Hayden, amante de Ben que persegue o personagem em busca de seu amor, o casal de homossexuais Chad e Patrick e mais alguns que fizeram uma participação e tiveram uma importância em certo momento da temporada.

 Enfim, se você for fã de um clássico horror, de uma trama assustadoramente bizarra, bem estruturada e com personagens envolventes, American Horror Story é definitivamente uma série que você tem que assistir. Agora se você for fã de uma série boa, com um roteiro bem estruturado, misterioso e complexo, personagens enigmáticos, cativantes e interessantes, American Horror Story também é uma série que você deva ver. Aliás, a única razão pela qual AHS não deve ser assistida é se você não for fã do gênero ou da complexidade que esta traz.

 Concluindo, AHS fora uma das melhores temporadas de 2011, se tornou uma das melhores séries a estar atualmente no ar e está por prometer retornar este ano apresentando uma qualidade ainda maior. Agora apenas nos resta resperar uma suagunda temporada tão chocante, eletrizante e assustadora quanto a primeira.

  Artigo preparado por: Well Fernandes

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s