The Glee Project (2×03) – Vulnerability


Hold on…..Hold on……

E foi assim realmente que tive que fazer durante TODO o episódio. Jurei mesmo que com o tema a coisa ia realmente engrenar, considerando que a turma tem bem mais potencial que seus antecessores da Season 1. Enfim quando se trata de um filhote de laboratório da série original só podemos esperar três coisas: hipocrisia, apelação e trollagem, esta da mais escrota possível.

Sim, a mensagem do bullying, o preconceito ao marginalizado em cadeia social/escolar é transportada para nossas “mentes” desde o primeiro episódio de Glee, mas para aqueles que ainda conseguem ver além, percebem que ao invés de tirarmos algo de “positivo” disto tudo, só paramos pra pensar “Do que serviu toda esta propaganda explicita?”. Irão me entender logo mais…

Posso estar sendo rude e insensível, mas a muito tempo processo o que Glee e agora o TGP tenta transmitir e sinceramente, após muita reflexão, vejo que o que houve no passado de tão especial, tocante e revelante, rui dia a dia, mas enfim não irei me precipitar, até por que tudo relacionado fica confinado numa Caixinha de Pandora e no momento que menos esperamos, BAAM, surge a nossa frente.

Mais aleatório impossível, os mestres do TGP escolhem “My Life Would Suck Without You” para representar a lição de vulnerabilidade da semana, ou seja, somente vendo a apresentação final para realmente ver se funcionaria ou não. Mais aleatório que isto foi ouvir da boca de Robert “O mentor desta semana poderia escrever um livro sobre o tema vulnerabilidade”, afinal assim como Abraham, qualquer ser humano de nível minimo de inteligência conseguiria pensar em somente um nome: “Chris Colfer”. Todavia, eis que surge em cena Cory Monteith, vai não me entendam mal, sabem bem que amo este grandalhão e aprendi a longo dos anos a respeitar e gostar de seu Finn Hudson, mas foi meio Oi?! e por fim tive que concordar com a expressão confusa de Abraham.

Eis que o grupo se apresenta de maneira serena, tentando mostrar seja uma fragilidade e leveza na vocalização ou nas expressões, porém sempre há uns exageros, como no caso de Lily e Ali, que forçaram nas expressões faciais ou a escorregar a mão no cabelo. Todos os demais tentaram ao máximo transmitir algo, apesar que desde a Season 1 os competidores ficam meio perdidos com a “arte de ser vulnerável”, muito disto pois remete ao que viveram e as coisas que marcaram suas vidas. 

Nellie se destaca e é a escolhida de Cory como vencedora da tarefa da semana, o que claro lhe renderá uma sessão “One on One” com o líder do New Directions. O grande conselho aqui é revela na maneira que Nellie deve encontra pra buscar algo de sua vida que a impactou, o que a permitira transmitir veracidade em sua atuação.

Cory anuncia que o vídeo da semana será o clássico do REM, “Everybody Hurts”, o que terá que igualar ou superar na minha opinião a qualidade e profundidade do belíssimo “Mad World” da temporada anterior. Voltando a temática, Eric surge para conversar com a galera, buscando ideias para a criação do vídeo e num momento ao meu ver Awkward demais, alguns deles são “forçados” a despejar suas angustias ou experiências com bullying. Já sabemos o quanto Tyler sofreu e todas estas dificuldades, estas que o mantêm no programa, mas vemos um lado mais frágil de Blake, que apesar da musculatura e a boa aparência, sofrera muito na mão dos valentões. Abraham abre quão dificil é conviver com duas mulheres e o fato de todos acharem que este tem trejeitos e atitudes femininas só por causa disto. E o que mais surpreende mas nem tanto assim é Lily, que está na outra ponta do iceberg, que ao invés de sofrer o abuso, ela o provocava, ou seja, a grandalhona era como ela mesmo diz a “Queen B” no colégio, e assim aproveitou do seu status de popularidade para infernizar a vida dos demais.

Sem coreografias esta semana, os 11 competidores partem para as sessões com Nikki e num geral todos se saem bem, tirando Mario, que continuando com sua atitude defensiva e que nada sabe receber conselhos ou criticas, acaba por deixar a treinadora vocal um pouco preocupada. Outra que samba geral é Lily e sua falta de foco a impede de simplesmente dublar sua parte na canção, mas é quando Eric a coloca para interpretar a si mesma como a valentona é que as coisas atingem um outro nível, este bem pesado e forçado eu diria.

Propositalmente colocam ela a agredir Aylin no chão e em meio a xingamentos como “sua muçulmana”, as garotas mais parecem ter curtido aquilo – com o abraço saltitante ao final – do que terem sido impactadas, considerando que “reviveram” duas coisas que marcaram sua vida estudantil, mas enfim…

Blake é sem dúvida o que melhor interpreta, seja como valentão em cima de Michael ou como reprimido por um bando de garotos pelo corredor. Shanna também tem um bom desempenho e ainda é a Glee Wannabe mais completa de todos, mas acho que como já sabemos, não é isto que eles procuram, não é mesmo? Os demais não impressionam tanto, nem mesmo Nellie, que para além dos excelentes vocais, não tem muito momentos que exijam sua vulnerabilidade em termos de atuação, mas este sempre foi o quesito menos investido no reality, então não vejo como podem exigir isto.

Agora aqui foi o momento “WTF” talvez da história do The Glee Project, onde Charlie que estava agendado para atormentar Mario, age por puro impulso e seguindo suas próprias regras, arranca o bastão da mão de Mario, deixando a todos em estado de choque, afinal quão impactante é gravar uma cena de bullying com um garoto cego e ainda mais ver alguém tirar aquilo que o orienta em sua vida. Enfim, Charlie deve mesmo ficar decepcionado consigo mesmo, porém é o que vem a seguida que põe em prova toda esta “Propaganda Gratuita Anti-Bullying”.

Com a edição final do vídeo, vemos realmente quais tomadas foram usadas, quem realmente se destacou e quem ficou como papel de parede, mas um fato nada curioso grita aos olhos dos mais atentos: mantiveram a cena em que Charlie arranca o bastão, mas a hipocrisia não para por aqui, pois não contentes com o perigoso movimento de um dos competidores, a direção do programa resolveu RECRIAR a cena, sim meus caros, voltem o episódio se quiserem e irão perceber que Charlie está usando outra roupa, diferente do take original, ou seja, é de se enojar, ainda mais quando usam isto como justificativa para colocá-lo no Bottom Three, o que claro é plausível, mas sinceramente que moral eles também tem como produtores de um programa que “estimula crescimento artístico” e que no fim condiz com atitudes que eles próprios consideram intoleráveis.

Falando entre os menos votados, ficam para o final Charlie, Nellie, Mario, Lily e Allie, aqueles que nitidamente tiveram alguns percalços, escolhas ou atitudes erradas ao longo da semana. Nenhum dos presentes ali está totalmente preparado e por isto que a oportunidade que tem como competidores deve ser aproveitada ao máximo, mas deixando o blah blah gratuito de lado, vamos ao que interessa: juntando-se a Charlie, ficam Lily e Mario, por razões obvias já levantadas acima.

Com as escolhas de “Fix You”, “Mercy” e  “Over The Rainbow” respectivamente para Charlie, Lily e Mario, chega ao poder da Gazela decidir quem fica e quem é o eliminado da semana. Concordo realmente que Lily não tem a chama de “underdog” que o programa exige, mas pelo simples fato dela chorar, consegue ver que ela pode ter algo? Sério mesmo Troll Murphy? Você precisa chorar e mostrar-se frágil pra ser um abastado e excluído da sociedade? Nesta mesma categoria, também considero que Shanna, Aylin ou Blake não tenham o status de losers, mas enfim, cada um simboliza o arquétipo que ele busca. No caso de Charlie é impossível não vislumbrar que em sua mente pense: “Será que encontrei meu novo Finn Hudson?”

Depois de cada um apresentar-se, o agonizante momento os assombra ao aguardar pelo famoso papel dos Callbacks, mas é aí que vemos as TRUE COLORS de Mario. Conforme já levantei, uma das piores coisas que o ser humano pode fazer é se aproveitar de sua condição para ser arrogante, prepotente e sem a minima capacidade de ouvir, pois para um cego, Mario é um péssimo ouvinte, habilidade a qual sabemos que sua condição física deveria destacar.

Suas atitudes de Diva já vem se mostrando desde o primeiro episódio, principalmente quando este praticamente impõe seu desejo por determinada parte, mas desta vez, quando ele resolve se “proteger” das criticas dadas por Nikki,  alfineta a todos, afinal outros também desafinar, ficando fora de tom e não foram criticados por isto. É unamine que as expressões de preocupados de todos com a eliminação que viria se transformam em expressão de descrença e revolta e são Aylin e Lily que resolvem bater de frente, deixando de lado o simples fato de que só por que ele é cego, não significa que eles terão que aturar sua péssima atitude constantemente.

Agora se eu achei que nada mais poderia me revoltar, eis que o Quarteto Fantástico resolve novamente dar uma mexida nas regras, optando por não eliminar ninguém esta semana. TGP tem que fazer isto pelo menos em um episódio e por que não fazer naquele “mais frágil” de todos. Frágil que nada, pois em meio a péssimas atitudes, vemos que nada como passar a mão na cabeça no final do dia e tudo voltar ao arco-iris Gleekiano de sempre.

Artigo preparado por: Mary Barros

9 thoughts on “The Glee Project (2×03) – Vulnerability

  1. Quem me dera que no ano passado, quando foi a semana da vulnerabilidade, ninguém tivesse saído pois assim a Emily podia ter continuado mais tempo. Anyway, gostei imenso da interpretação do Charlie da ‘Fix You’.

  2. Concordo a 100 % com a tua critica. Eu já sabia que era o Cory que ia, mas quando o Robert disse aquilo também pensei no Chris. Eu sinceramente não achei o que o Charlie fez uma coisa do outro Mundo, até porque o tema era bullying e o que ele fez foi puro bullying. Se calhar ele não pensou bem no que estava a fazer, mas mesmo assim tomou iniciativa própria e fez alguma coisa “melhor” para representar o bullying, o que para mim como actor ou outra profissão qualquer é muito bom.

    Obrigado por teres reparado na recriação da cena. Quando vi o episódio não reparei nisso, e fui agora ver outra ver para ver se era mesmo verdade, e é. Estou bastante desiludido com eles. O Charlie não é o meu favorito para ganhar, mas só foi para o bottom 3 por causa do que fez, e depois ainda recriam a cena? Muita hipócrisia da parte deles.

    O final para mim foi mesmo hórrivel. Então decidem não eliminar nenhum? Se continuam assim não sei como é que o Ryan vai escolher só um vencedor se nem consegue eliminar uma pessoa.

    Para mim os que mais detesto é o Mario porque pensa porque é muito, mas mesmo muito convencido, e o mesmo vai para a Lily. O Tyler só vai continuando no programa por causa da história dele, porque ele é dos mais fracos que lá está.

    Já agora excelente review. Não costumo comentar muito por aqui, mas venho cá todos os dias, e leio muitas reviews. Só decidi comentar agora porque ficou mesmo muito desiludido com o episódio.

    • MARIO HATERS vem crescendo, acho lindo isto!! LETS GO GLEEKS!!!

      Então, eu sinceramente acredito que ganhará mais de um novamente, sabemos já que Ryan odeia seguir regras, até por que parece não as ter – vide exemplo da hipocrisia do bastão do ceguinho – então credibilidade o programa nunca teve, agora é esperar pra ver o que vai rolar daqui pra frente, mas que é HILARIO tanta trollagem, isto é!

      Apareça mais vezes viu!

      Abs

  3. Achei o episódio muito bom, concordo com parte do Mario ser péssimo ouvinte, e acho que a escolha de não eliminar ninguém, seria uma compensação pela desistência da Taryn, para programa acaba na data certa ou algum assim, porque eu tenho a sensação que não vai te um vencedor apenas nessa edição também ? Até mais…

    • Bom pode até ser mesmo, pq eles perderam dois no anterior e rolou uma “lei da compensação”….
      HAHAHAHA mas é claro que tb sinto que Ryan e sua turma não seguiram as regras, corando somente UM vencedor…

      See ya

  4. Estive agora a ver e o meu comentario ao 2º episodio não ficou guardado😦

    Não gosto da Lily, mas aquele comentario dela nao ser um underdog e por isso nao se encaixar bem ali, penso que não faz muito sentido. No glee quantos é que não são underdog e fazem parte da serie? A Rachel, Santana, Britney, Puck, não são underdogs tipicos.

    Actualizando a lista:

    Ate agora os que me agradaram Ali; Aylin; Nellie ; Blake; Shanna
    Os que nao me agradam tanto : Tyler; Lily, Mario

    • Lily nunca me desceu, achava no inicio que tinha uma voz boa, mas seu temperamento e este jeitinho “chorão forçado” me enojam a cada semana!

      Bom quanto a quem é mesmo underdog, em essencia os do elenco original nem todos começaram como, mas aos poucos vimos que eram, concordo Britt e Puck por exemplo nunca foram, mas já Rachel acredito sim que é essencialmente um. Existem N tipows de bullying, neste episódio de TGP ficou tudo mto artificial, alguns pareciam estar “inventando” algum tipow de história ou mesmo aumentando-a pra dar impacto.

      Tua lista de não agrada tá igual a minha por sinal.

      See ya

  5. And the Troll Season get started…

    Vunerability? Seriously? Para mim o nome deste episódio fora lieability… Né Mr. Blake.

    Mas de qualquer forma fora um episódio até interessante. Mario é ainda mais detestável do que achei de inicio, ele tem de sair já. Tyler é Tyler e isso é o suficiente para desejar sua saída e Lily, a mentirosa principal, chora e faz caretas e assim consegue ganhar o coração de Ryan…

    Enfim, atualizando a love/hate list:

    Love: Aylin, a piriguete vunerével!

    Hate: Mario, o cego otário!

    Atts

    • URGH argh eset epi deveria chamar HYPOCRISY, pq nunca vi tanto choro falso e situações forçadas e desconfortáveis de se ver na minha VIDAAAAA!!

      Criei a campanha BURN MARIO BURN e se ele quiser colocar na fogueira o Tyler junto, eu agradeço!!! Lily se tiver um espaço tb, será bem vinda!!

      Meu amor continua com a Neille, Charlie, Michael e Shanna e claro a biscate da Aylin é um deleite de acompanhar!

      Amanhã tem Sexuality com nossa musa latina como mentora, quero só é ver os hormonios desta galera, pq pelo clipe final já ESQUENTA e mto!!

      XOXO

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s