Jane by Design (1×01/10) – Resumo


Jane by Design entrou na grade da ABC Family ao lado de Pretty Little Liars e The Lying Game, séries ovacionadas pelo canal e pelo público geral. Ao contrário dessas duas, cuja premissa é direcionada ao suspense, Jane by Design nos leva a um mundo muito explorado por filmes teens de comédia e revistas cujo assunto referencial é o mundo fashion. Em poucas palavras, se você gosta de moda e design como eu, não pense duas vezes em assistir a inocência cheia de clichês batidos desse seriado, mas que rendem momentos de humilde diversão. É verdade que a trama não ofereceu nada de novo e espetacular, mas confesso que ela é dona de um aconchego simples, quase impossível de não se apaixonar.

A história central da série nos leva a Jane, uma adolescente que sonha em trabalhar no ramo da moda. Ela ainda está no colégio e tem como melhor amigo Billy, aquele parceiro que toda garota sonha em ter quando está em grandes apuros. Ela vive apenas com o irmão mais velho, Ben, que não tem nenhuma expectativa de vida e isso faz a dupla pertencer à lista dos endividados, devido à falta de pagamentos, especialmente da hipoteca da casa. Desesperada, Jane segue a procura de um emprego, até conseguir a oportunidade de fazer uma entrevista na famosa empresa de moda: a Donovan Decker. Entre o irmão desempregado e as dívidas, a jovem engata o percurso do sonho.

O problema é que Jane faria uma entrevista de estágio, mas acabou virando assistente da chefia representada por Gray. Contando com Billy, ela falsifica os documentos pessoais, que afirma sua maioridade, disponibilizando-a a trabalhar imediatamente por um salário mensal exorbitante para uma jovem que nem saiu da escola. Obviamente que todo o dinheiro livra seu irmão e ela das dívidas, mas o percurso de Jane vai muito além de um cheque rechonchudo. Ela venera moda e fará de tudo para se manter no mercado até sua máscara cair. Assim como qualquer outra jovem, ela ama o que faz, mesmo que o dinheiro tenha sido o principal motivo da mentira sobre seu verdadeiro nível profissional. Jane sabe o percurso que quer seguir e a confusão entre as entrevistas só vieram a calhar, tornando seu sonho real cedo demais.

Algumas coisas são absurdas na série, como ninguém desconfiar que os documentos dela são falsos, mas a história precisa de um ponto para caminhar de algum jeito. Ao longo dos 10 episódios conhecemos melhor todos os personagens e confesso que, apesar dos pesares, adoro a India. Todos os looks dela são lindos e a ironia descontrolada que a domina por se sentir trocada e minorizada por Jane no coração de Gray, a faz ser engraçada em momentos oportunos. Billy também não fica atrás. Embora eu ache que seu romance com Lulu seja o mais desnecessário possível, ele consegue sobreviver sozinho e ter seus problemas particulares. Ele é uma graça e não é qualquer um que se sacrificaria tanto para ajudar a melhor amiga e se dar mal inúmeras vezes por conta do irmão mais velho e marginalizado. A versão dele de mauricinho rendeu o melhor episódio da temporada.

Como é comum em seriados adolescentes, temos o triângulo amoroso que, pelo visto, será um quadrado. Nunca cogitei que Billy se renderia ao seu amor por Jane, um sentimento que surgiu devido a um estalido da parte do irmão do rapaz. A atitude não me convenceu, pois não senti sinceridade com relação ao que ele sente pela amiga, pois pipocou muito de repente. Para ser honesta, Jane é tão focada no trabalho que não consigo vê-la namorando com ninguém da série. Nem ela tem presença o bastante para que isso aconteça. Seu gênio brilhante por moda logo atrai Jeremy, da mesma forma que frusta Nick que, pelo visto, continuarão a competir pela fashionista, desconsiderando que o melhor amigo dela não cogitaria duas vezes em dizer que a ama. Será um quadrado amoroso estranho, pois não vejo química em nenhum desses personagens.

Durante cada episódio, Jane nos apresenta elementos essenciais da indústria da moda, com frases interessantes para quem está ligado no assunto e tendo como auxílio caricaturas bem batidas em roteiros que embasam o mundo fashion. Temos a víbora e estilosa India, Jeremy o estilista vaidoso e conquistador, com seu sotaque sedutor, Carter que é dono das piadas e fugitivo número 1 de India e Gray, a chefe descontrolada que vive com a sensação de que a assistente não vale nada e que alguém quer tomar o lugar dela na empresa por estar ultrapassada, e assim por diante. Entre trocas de roupa no carro do melhor amigo, Jane tem que balancear a vida de adolescente que é desprezada pelos prazeres da vida adulta precoce.

Para quem é grande fã de filmes sobre moda, especialmente o aclamado “O Diabo Veste Prada”, facilmente se identificará com a trama. O que nos atrai a ela, sem dúvidas, é o glamour dos desfiles, bebidas requintadas e muita gente bonita. Como comentei, a série está cheia de clichês, como a chefe a la Miranda Presley e a assistente invejosa, que muito lembra a ótima Emily, interpretada por Emily Blunt no mesmo filme. Mas, o que a faz adorável, é a simplicidade e a falta de responsabilidade em nos garantir episódios grandiosos, sem dar espaço para a decepção calhar muito rápido, nos incitando a abandoná-la. Jane by Design não tem compromisso com o suspense ou com o trabalho de manter a série além dos seus limites de qualidade. Ela meio que se respeita, pois não há o que explorar senão aquilo que assistimos até aqui. Durante os 10 episódios, tudo se manteve no mesmo nível, sendo que alguns possuíram mais história para alavancar o interesse e outros nem tanto.

Jane by Design é aquela série que todos assistem em casa, na cama, seguido de um episódio de Hart of Dixie para babar no figurino da Rachel Bilson e achar que entende tudo de moda. Eu me espantei pelo fato da série ter conseguido mais episódios, pois diante de The Lying Game e Pretty Little Liars, e até mesmo Revenge, ela é a mais fraca do canal. Pelo visto, ela conseguiu sobreviver à repescagem por sua hospitalidade, humor moderado, cheio de fofurinhas e por oferecer um universo de imaginação. Qual garota não sonha em ser bem-sucedida, trabalhar com moda e vestir as roupas mais sofisticadas de marcas de renome?

Pois é isso que nossa querida Jane nos proporciona. Me apaixonei demais pela série, mas se ela fosse cancelada, confesso que não faria tanta falta assim. Os 10 episódios até aqui só melhoraram a partir do sexto, mas conseguiu manter o ritmo até a spring finale.

Agora com o retorno da série, veremos se ela conseguirá sobreviver ao pesadelo mais temido de todo o semestre: a renovação.

Artigo escrito por: Stefs Lima

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s