Community (3×18) – Course Listing Unavailable


Negação, Cólera, Negociação, Depressão e Aceitação. É só o que Community precisa para criar mais um episódio incrível.

Como um episódio de 20 minutos pareceu ter 2? Antes de olhar para a timeline do vídeo ele acabou! Eu pensei que tinha sido um evento causado pelo calor de assistir pela primeira vez, comecei de novo, mesma coisa. Só consegui pensar e ir parando o episódio enquanto escrevo essa review. Resumindo, esse é um dos episódios mais fluidos de qualquer série que eu já tenha visto.

A cena pré-crédito confirma a morte de Starburns numa explosão do laboratório de metanfetamina. Confesso que, assistindo o episódio passado, fiquei em duvida se a série teria coragem de matar um dos seus ícones visuais, pois, mesmo que ele nunca tenha tido grande importância ou diálogos dentro da série, ele é parte de uma mitologia de personagens estranhos que representam o quão desajustadas são as pessoas que integram o Greendale. A fita que Starburns deixa para Abed é hilária pela sua simplicidade, da confissão de herpes ao chroma-key, tudo funciona como uma demonstração do jeito como Starburns está inserido dentro do contexto “Tosco” da Greendale Community College.

Passados os créditos, Britta e Jeff têm um grande momento quando ela tenta convencer o grupo a aceita-la como conselheira do luto, ela começa listar sua qualificações enquanto Jeff vai dando adendos desmentindo as informações. A mesma Britta cita os cinco estágios do luto propostos pelo modelo Kubler-Ross (os cincos citados no inicio do texto) e é a partir deles que o episódio se construiu. Qualquer série menos preparada faria questão de repetir algumas vezes o cinco estágios para tornar óbvia a ligação com a estrutura do episódio, mas Community diz uma vez, o que só demonstra o respeito que a série tem pelos expectadores. Os realizadores presumem que somos capazes de perceber os pormenores da série por nós mesmos, o que é raro em tempos que audiovisuais fazem questão de vir mastigados para o expectador.

Continuando, Greendale sempre foi um lugar de desajustados, pessoas que fizeram algumas escolhas das quais se arrependem e procuram por uma segunda chance. Mesmo tendo todo o contexto fofo e onírico, Greendale é uma faculdade que deveria prover o espaço cultural que permite essa segunda chance, mas raramente ela se ela a sério. Como expectador de Community é engraçado ver como Greendale tenta ser séria e sempre falha (ela tenta ter um simulador espacial e consegue um Atari gigante do KFC, tenta criar uma bandeira e consegue um ânus desenhado), mas essa é a realidade dos estudantes é que eles têm de conviver com a certeza de que a própria faculdade é uma porcaria.

Com a morte de Starburns e passada a negação, a raiva do luto dos integrantes do grupo se direciona para a instituição que eles consideram culpada, é assim que o “7 de Greendale” iniciam uma revolta contra toda a faculdade. Uma revolta épica, com direito a um saque ao Subway, cadeiras jogadas nas janelas e uma guerra de comida com o ingredientes deveriam ir para os deliciosos sanduíches (A propaganda está funcionando! Frango Teriaki amanhã meio-dia!). Passada a revolta chegamos a barganha, aonde todos os integrantes do grupo tentam negociar a expulsão da faculdade.

Tudo isso foi feito em um crescendo tão simples e lógico, que nada foi estranho. Como antagonista tivemos o Chang, que se aproveitou de te um sósia do Dean e o exercito adolescente para tomar conta do campus, o que faz sentido, pois toda essa sede de poder de Chang foi evidenciada por pequenas piadas deixadas nos episódios anteriores.

Passados os três primeiros estágios, o grupo se reúne no apartamento de Abed para lamberem as feridas uns dos outros. É nesse momento em que Abed nos relembra o genial Remedial Caos Theory, quando se pergunta se essa é ou não a melhor das timelines possíveis e, como se não fosse o suficiente, o  entregador de pizza é o mesmo de Remedial. Nesse momento é que acontece a ultima passagem, para aceitação, aonde todos percebem que serem expulsos não é o pior cenário possível, mas que o verdadeiro pesadelo é estarem separados. Uma simples e doce lição de amizade.

Todo esse episódio abre a possibilidade de um final épico de temporada, com a luta do grupo para retornar para Greendale e enfrentar o ditador Chang. Confesso que essa possibilidade nunca me passou pela cabeça. Community ainda surpreende.

P.S: R.I.P Starburns. No fim do episódio um justo clipe homenagem da Troy-Bed produções. Hilário!

P.S 2: Rachei de rir no armário mágico do Dean. Nárnia que nada.

Artigo escrito por: Murillo Martins

2 thoughts on “Community (3×18) – Course Listing Unavailable

  1. Não há como discordar em nada de ti. este, que era para ser um episódio simples da série, se superou a cada segundo, introduziu tramas interessantes a serem trabalhas e brilhou nos pequenos detalhes.

    Ah como eu sou uma pessoa feliz por assistir Community…

    Atts

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s