One Tree Hill (9×12) – Anyone Who Had A Heart


Does anybody know how to hold my heart
How to hold my heart?
‘Cause I don’t want to let go, let go, let go too soon

I want to tell you so before the sun goes dark
How to hold my heart
‘Cause I don’t want to let go, let go, let go of you

Como fã declarada da Sara Bareilles não pude deixar de relacionar uma de suas canções, “Hold My Heart” com este episódio, principalmente após descrevê-la como uma espécie de declaração a todos aqueles que acreditam que existe alguém lá fora capaz de abraçar suas diferentes facetas, suas qualidades e principalmente seus defeitos e assim te completar quase tão simetricamente. Este episódio mostra um pouco disto e além de demonstrar diferentes formas de amor entre as personagens,  serve como essência e tributo ao coração mais belo de toda a série, este que após muito construir barreiras e muralhas de proteção, finalmente deixou alguém entrar, este alguém tão bom e merecedor, este alguém chamado Julian Baker, aquele que segura até hoje seu coração e que nunca deixará a barreira subir novamente.

“An Unkindness of Ravens” é o tributo sutil e honroso que Mark encontrou de homenagear a série criando outra dentro dela mesma, ou seja, através do nosso cineasta favorito Julian e todo seu amor e admiração pelo passado de sua amada, mesmo não tendo feito parte dele, entra em cena a produção do seriado baseado no primeiro livro de Lucas, este que teve como fundação e inspiração aquela que mais amadureceu, cresceu e evoluiu, mesmo tudo isto sendo sinônimo.

Brooke Penelope Davis conseguiu tudo que sempre quis e como seu ex e por que não grande amigo sabiamente disse: “Brooke Davis você mudará o mundo”. Julian prova-se um grande homem ao investir num livro escrito pelo primeiro grande amor de sua amada e o mair importante disto tudo, apesar de algumas feridas serem expostas, ele é em suma o grande responsável por curá-las e não somente a colocar curativos ou band-aids e sim preencher cada vácuo de solidão, insegurança e sofrimento, afinal tudo que aquela garotinha que sentava sobre a porta de sua casa desejava é ter um lar de verdade.

Juntamento com o projeto televisivo de Julian, Mouth parece mexer seus palitos também, primeiro pois voltou a velha forma física a qual todos estavam habituados a conhecê-lo e segundo, senti que precisa dar uma nova guinada em sua carreira, alias és Millie que percebe isto quando vê que seu amado a escrever em seu blog de esportes, paixão nata desde seus tempos de High School. A decisão finalmente é tomada e o “Morning Show With Mille” agora busca um novo ancora – destaque para a loirinha flertante e nitidamente despreparada para a função, esta que acaba por servir como galinacia da emissora –  este que teria seu debut no “Burning Boat Festival” , a tradicional queima do barco de Tree Hill, onde cada habitante usa do grande recipiente como uma forma de despejar coisas do passado, itens ou lembranças que gostariam de deixar pra trás. Falando em festival, Haley após ser escolhida para fazer o discurso de abertura da queima, se concentra pra tal, principalmente agora que seu maridão e seu filhote estão distantes a curtir um relaxante acampamento pai e filho.

 Sempre perguntei-me qual o propósito de Quinn e Clay na série, principalmente desde após o tiro e a viagem a outra vida e tudo mais, porém pela primeira vez, antes tarde do que nunca, a trama conseguiu colocar tudo nos eixos e o melhor disto tudo? Foi de forma natural e sabemos que tem um grande responsável por trás: o adorável Volverine, o pequeno loirinho Logan, filhote recém descoberto de Clay.

A expectativa de recebê-lo em sua casa é grande, principalmente para o papai, afinal após tanto tempo longe de seu filho, tudo que mais quer é surpreendê-lo, fazendo-o sentir a vontade neste novo, porém estranho lar. Este novo lugar logo de cara o assusta – uma bela analogia a imensidão do mar e como este por vezes parece que nos engolira – mas que com a força e empenho de Quinn a ajudar Clay, tudo parece se acertar, trazendo especiais momentos entre as três personagens, seja com a Little James a caminhar com o pequeno até a beira da praia ou com o casal a montar uma cabana dentro do quarto de Logan para ajudá-lo a dormir.

Não canso de repetir que ao colocar Logan nesta temporada, One Tree Hill recuperou um pouco daquela atmosfera especial e doce que teve durante a quinta temporada quando nos apresentou Jamie, pois ambos tem um jeito caricato, maroto e jovial de ser, preenchendo lacunas e abrindo espaço na família James/Scott e agora Evans. Falando em família, apaixonado ainda mais por Quinn, principalmente com a maneira madura com que sua amada tem agido mesmo com toda a revelação de paternidade, Clay resolve firmemente expressar que deseja ficar com ela pro resto de sua vida. Mesmo não tendo preparado um pedido formal junto a um anel de compromisso, isto não o impede de pedi-la em casamento, ainda mais quando o pequeno X-Men oferece o anel do Lanterna Verde como uma espécie de substituto para a ocasião, afinal quem não tem cão, caça com gato, certo? E assim a nova família dorme feliz e completa, com destaque para a maneira com que Logan consegue reconhecer a presença de sua falecida mãe Sarah e também o recém descoberto papel de seu pai e agora desta nova figura materna, presente em Quinn.

 Julian de fato foi o grande presente para a série após a saída Leyton e não digo isto só por que B. Davis é minha protegida favorita, mas também que este até então cineasta nerd com habilidades sociais limitadas acabou por conquistar seu espaço e o mais importante, conquistou o coração fechado de Brooke. A maneira com que ele se dedica ao seu novo projeto não só reacende sua chama artística como diretor/produtor, mas também mostra o quão comprometido esta com a mulher que escolheu amar e o mais incrivel disto, mulher a qual ele abraçou mesmo sabendo de seu passado.

Após convencer os investidores com a idéia deste novo e comovente TV Show, Julian resolve cavucar mais sobre o passado de Brooke e de todos ao seu redor e esta, de coração e mente aberta entrega a ele seu diário, este que narrara toda a High School Era, claro com excessão de uma ou outra página arrancada pela proprietária, o geek lover conseguiu entender mais desta pequena grande mulher, que carrega até hoje nos ombros o frio e distante relacionamento com seus pais, sem contar as intensas brigas que presenciou enquanto estes estiveram casados.

Victoria reaparece e pelo papo um pouco condicente a respeito da último golpe que Ted aplicara no coração de Brooke, sabemos que coisa boa não veem por aí. Pior disto é que Brooke tem que encarar com os próprios olhos, estes que desejaria arrancar, o que não tiro sua razão.

“My dad screws me over, my mom scews me up, at which point, they start screwing each other and now i give up”

Considerando o histórico do relacionamento entre ambos e a nítida tensão sexual existente desde que a trama os colocou cara a cara pela primeira vez durante o season premiere, aquilo que os olhos da filha presenciam somente foi uma constatação do que estava fadado a acontecer: “Mamma e Papa Davis are doing it again!”, o que rendeu uma engraçada cena em termos de atuação para Sophia, porém desesperadora situação para Brooke como filha, afinal mais uma vez virara marionete no jogo de interesses profissionais e agora sexuais de seus pais. Inconformado com tamanho desrespeito, Julian parte para o hotel para confrontar Ted, o que nos dá mais um grande momento de Austin, mostrando seu papel como marido defensor, além da fibra de peitar seu sogro e tudo que este já a fez sofrer ao longo da vida.

“I came here to tell you that how you’ve treated Brooke is unacceptable. As her husband and father of her kids, i’m not gonna let anyone not ever her father put her in a corner. I don’t want coffee, i just want you to wake up and fix things with your daughter. She gave you 3.000th chance to be a decent dad and you blew it again.”

E se não fosse por este heroico soco nas bolas pra despertá-lo, acredito que Ted não teria toda a coragem que teve logo em seguida ao aparecer junto a Victoria na Brulian’s House. Mamma Bitchtoria explica que logo após a filha chutar o pai de sua casa devido a trama contratual e os reais interesses dele com a marca Baker Man, este admitira sentir remorso por tudo que aconteceu, algo que a fez relembrar o homem que conheceu um dia. Decidem então que o pai não venderia a empresa, pelo contrário, ambos compraram todas ações, entrando como investidores da filha, criando assim uma empresa familiar administrada pelos três, naturalmente ela tomara todas as decisões, afinal a Baker Man pertence a Brooke Davis.

“Who are those people? Those were your parents.It’s good to meet them”

 Num delicioso bate papo na beira do lago, Brooke e Haley relembram do passado, inclusive as nostálgicas mentiras que a Mamma Scott inventava ao melhor amigo Lucas a respeito de ser tutora nos estudos de Nathan. Concordo com B. Davis, realmente é admirável ver que Haley encarrou já ficar distante do marido, este que viajara com Jamie para acampar, porém com ela mesmo diz, entende a necessidade que o filho tem com o pai e que no momento eles precisam muito reconectar a relação, principalmente após o funeral de Dan, considerando como esta perda afetou o pequeno, que desenvolvera uma relação próxima e verdadeira com o avô. E é com a sabedoria de outra avó, desta vez Lydia, que Haley diz a sua melhor amiga que dar segundas chances não a torna uma pessoa tola e sim, uma pessoa que ama e perdoa, mesmo tratando de seus pais.

 “Love means giving chances when there’s no more chances left to give”

 O speech da Mamma James torna-se bem apropriado, principalmente para Brooke, que através da simbologia de seu diário, este que manteve ao seu lado como grande amigo e ouvinte durante sua adolescência, conseguira finalmente enterrar, concentrando-se no aqui e no agora, seja a olhar de um lado e ver sua própria família com Julian e os gêmenos ou do outro lado, ao ver a família que tanto desejou ser verdadeira, com Ted e Victoria a agir, pela primeira vez em vinte e seis anos, como Papa e Mamma Davis. Quão especial foi vê-la colocada entre os dois, após dar-lhes a 3.001 chance de não ferrarem com tudo, chance esta que acredito que não irão desperdiçar mais, alias aí deles se o fizerem, pois terão que lidar com uma nação fervorosa e apaixonada liderada pelo maridão Julian Baker.

We all have things that we regret, and we all have things for which we are remorseful. The burning boat festival is our city’s time-honored tradition of letting go and giving yourself  a second chance. I think we all need those from time to time, right? So i say we take all those failures and let-downs and burdens and let’s torch them! 

Artigo escrito por: Mary Barros

One thought on “One Tree Hill (9×12) – Anyone Who Had A Heart

  1. Gostei do fato de que este episódio tenha nos preparado para a adeus que estaria por chegar no próximo… Fora um episódio nostalgico e belo… Fora OTH encontrando formas de nos dizer que o fim está próximo, muito próximo…

    Excelente Review, como sempre…

    XOXO

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s