Alcatraz (1×03) – Kit Nelson


Então, gostei do episódio por dois motivos: a ótima história de Kit Nelson e o desenvolvimento do Dr. Soto. O prisioneiro dessa semana é um assassino de crianças e, só por isso, ele já seria assustador o suficiente, mas o desenvolvimento que é feito no passado, em Alcatraz, foi o mais profundo até agora na série. A conversa entre ele e o pai e a cena em que ele confessa que matou o irmão para o Diretor da prisão foram tensas, muito bem escritas e muito bem atuadas. E a última parte até me surpreendeu, porque não achei a atuação do ator que fez Nelson fora do normal no presente. Além disso, normalmente eu pensaria que Nelson só confessou que matou o irmão devido à pressão do diretor, mas a atuação foi tão intensa e os detalhes se encaixaram tão bem, que é impossível duvidar.

Enquanto isso, no presente, Soto assume o centro das atenções no episódio a partir da discussão com Hauser. Foi interessante ver que o passado dele também possui alguma ligação com a trama (mais sobre isso abaixo), mas a melhor parte do episódio foi ver como ele é simplesmente humano. Ele não é insensível com a possível morte de uma criança de 11 anos e, após a discussão com Hauser, vai investigar por si. Apesar da investigação ter dado resultado, ele simplesmente não soube o que fazer quando encontrou Kit Nelson e a criança em um dos restaurantes. O nervosismo dele ao telefone e a totalmente atrapalhada tentativa de evitar que Nelson deixasse o restaurante, assim como, apesar de ter encontrado o prisioneiro, não ter conseguido prendê-lo, tornaram Soto o personagem mais humano e complexo da série até o momento. Pena que o roteiro não conseguiu o mesmo nível de qualidade para a trama do presente envolvendo Nelson. E eu certamente gostaria que Madsen fosse tão bem trabalhada quanto Soto.

Portanto, provavelmente não foi o episódio que todos esperavam, mas levando em conta que os mistérios principais certamente não vão ser relevados agora, as histórias de Kit Nelson e do Dr. Soto continuaram de maneira satisfatória os primeiros episódios.

O que? Como? Onde?

* Para a discussão sobre os mistérios principais, gostaria de começar com Hauser e suas ações no episódio. Vi várias pessoas comentando que, na cena da discussão entre ele e Soto, ele parece estar disposto a fazer de tudo para capturar os prisioneiros, até mesmo colocar a vida de uma criança em risco; então, na cena em que ele mata Kit, ele teria se humanizado a partir das conversas e discussões com Soto e Madsen e optado por não capturar Kit e matá-lo para salvar a vida da criança. Eu discordo, pois acho que há uma interpretação errada sobre o objetivo (inicial, pelo menos) de Hauser: não acho que ele queira capturar os prisioneiros necessariamente vivos, ou seja, não importa se eles estejam vivos ou mortos. Assim, quando ele tira o Amber Alert, o faz apenas para que a história de que há pessoas que viajaram no tempo andando e cometendo crimes pela cidade se tornasse pública e quando ele mata Kit, o faz apenas porque era a única maneira de não deixá-lo escapar novamente. Mas eu certamente acharia mais interessante se Madsen tivesse atirado.

* Outro ponto que, penso, confirma o que disse acima sobre Hauser é que Nelson, ao contrário dos prisioneiros dos primeiros episódios, aparentemente não tinha nenhuma missão. Ele apenas voltou do passado e recomeçou a matar crianças. O que pode ter acontecido é que ele, na verdade, tinha sim uma missão, mas a ignorou completamente, se tornando assim inútil para Hauser e abrindo a possibilidade de que este o matasse.

* Ainda sobre Hauser (calma, já mudo de assunto), ficou mais provável a teoria de que ele também faz parte da conspiração. Os primeiros episódios deram a entender (para mim, pelo menos) que o Dr. Beauregard estava envolvido na conspiração. Então ou o Dr. mudou de lado ou Hauser não é um dos mocinhos. Além disso, se Hauser é parte da conspiração, ele pode ter matado Kit por ter fugido da missão.

* Sobre o Dr., tendo em vista que ele também não envelheceu, assim como Lucy, será que o diretor de Alcatraz também está vivo no presente? E será ele o comandante de tudo? E o que será que ele vai fazer com o corpo de Nelson? Certamente não é uma simples autopsia. E o fato de ele estar vivo e Hauser saber sobre ele indica que Hauser provavelmente também sabe sobre Lucy. Um mistério a menos!

* Por fim, duas coisas me fizeram acreditar mais que os prisioneiros não viajaram no tempo, mas apenas não envelheceram. Primeiro, a quantidade absurda de sangue que estão tirando do avô de Madsen, que aponta mais para experiências biológicas do que físicas. E segundo, Soto ter sido sequestrado quando criança pode não ter apenas relação com a história do terceiro episódio, mas indicar que os prisioneiros sempre estiveram presentes. E ainda destaco o fato de o episódio não ter mostrado Nelson “voltando” (parece que Jack vai ser uma excessão) e de o avô de Madsen já ter “voltado” há vários meses.

E vocês, o que acham? A série melhorou no terceiro episódio ou caiu um pouco?

Artigo originalmente escrito por Vinicius Vinera e publicado no Portal de Séries.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s