House (8×07) – Dead & Buried


Mais uma semana e mais um episódio rotineiro de House porém estou a gostar do que essa rotina de House vem nos apresentando, são episódios no geral bons, com momentos bacanas e casos interessantes. Ao menos ao acompanhar um filler não tenho a chance de me decepcionar com a série, pois sempre que essa busca tratar uma trama mais pessoal acaba por decepcionar o telespectador, vide a recente despedida de Thirteen.

O episódio nos apresentou duas grandes tramas e uma pequena trama protagonizada por Chase, no geral as três ofereceram bons momentos e um alívio cômico. O destaque do episódio fica por este se dividir em dois casos médicos, um que se trata de um paciente vivo e outro sobre um paciente que já está morto há algum tempo, nem preciso dizer qual deles fora o melhor, certo?

Não que o caso semanal tenha sido ruim, fora satisfatório e explorou o inesperado porém a trama de House e seus puzzles fora completamente satisfatório, explorando o vicio que o personagem possui em decifrar seus quebra-cabeças e as conseqüências deste em tratar um criança morta foram satisfatória, garantindo facilmente ao episódio uma qualidade melhor. Acontece que House arranjou um novo puzzle em um garoto de dois que falecerá anos atrás e procurou de todas as formas o resolver. House chegou até a arriscar sua liberdade em busca de decifrar o puzzle e o final do mesmo fora satisfatório, acompanhar Wilson na posição de intermediário na relação entre House e Foreman fora interessante, assim como o seu discurso ao final do episódio.

O caso semanal também chamou a minha atenção, a garota de catorze anos que se descobre grávida e com distúrbios psicológicos fora interessante, tornando assim o episódio ainda mais marcante. Gostei quando o roteiro nos revelou que a personagem tinha múltiplas personalidades, havia desconfiado disso no inicio e gostei que a minha linha de pensamento estivesse correta. Porém devo reclamar que por dividir o episódio em dois storylines a série não fora capaz de dar um foco devido em ambos, pois ambos se mostraram interessantes porém pouco aproveitados.

Outra trama, com menor destaque e mais cômica, que invadiu o episódio fora uma protagonizada por Chase. Este estava deixando toda a House Team, inclusive House, curioso por estar a fazer as unhas e fazer a sobrancelha e a resolução não poderia ser menos engraçada. Ver Chase bancando o médico na televisão com um absurdo sotaque australiano fora ótimo e realmente acalmou a tensão que os casos médicos estavam por trazer.

Fora um bom episódio que sou cumprir primorosamente sua função de nos entreter, gostaria que todos os próximos episódios de House tivessem essa vibe interessante que este possuía. Um episódio que soube quando ser cômico, quando ser sério e quando ser audacioso, claro que fora apenas um pouco de cada, sem grandes repercussões, porém isto já fora o suficiente para me contentar nesta semana.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s